'Eu ainda acredito no Brasil', diz executivo

'Eu ainda acredito no Brasil', diz executivo

Em entrevista exclusiva ao 'Estado', executivo diz que é preciso ter paciência para que a operação no mercado brasileiro seja rentável

Entrevista com

Stefano Sassi, presidente do grupo Valentino

Maria Rita Alonso, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2015 | 02h06


A nova megastore em Roma coroa um processo de expansão da Valentino. Vocês estão conseguindo ganhar terreno em comparação aos concorrentes?

Sim, abrimos dezenas de novas lojas nos últimos anos e estamos focados em dar visibilidade à marca de forma global, graças ao investimento maciço no varejo, que é algo essencial na indústria de luxo atualmente. Entendemos que, do ponto de vista comercial, seria muito poderoso multiplicar nossas praças e apresentar o novo conceito da marca de uma maneira transversal, relacionando as roupas com a ambientação, a decoração e a magnitude das lojas. Agora, Roma realmente mexe com as nossas emoções e com a nossa história. Essa loja é um passo fundamental.

A empresa é rentável?

Em 2013, nosso lucro operacional foi de € 64 milhões. A receita também vem crescendo de forma saudável.

Vocês abriram três lojas no Brasil só no ano passado. A crise econômica que está se desenhando não afeta a marca?

Quando chegamos ao Brasil, sabíamos que o investimento levaria de três a quatro anos para se estabilizar e ser rentável. É preciso ter paciência e acreditar que a situação ficará mais estável. Eu ainda acredito no Brasil, porque temos uma clientela fiel, que se entusiasma e consome bem tanto os acessórios como o nosso prêt-à-porter.

Valentino deixou uma herança sofisticada que vem sendo rejuvenescida pelos estilistas Maria Grazia e Pierpaolo. Como manter o equilíbrio entre tradição e modernidade?

Essa dupla é realmente muito esperta e inteligente. Antes de assumirem a marca, os dois trabalharam por dez anos ao lado de Valentino e, portanto, entendem a fundo nossos códigos de criação e nosso DNA. Hoje, eles conseguem imprimir uma marca autoral e conquistar consumidores mais jovens. Nosso sucesso atual está nessa aliança entre o antigo charme italiano e o desenho altamente contemporâneo.

No último desfile da marca, os atores do filme 'Zoolander' pisaram na passarela causando surpresa. Foi uma decisão arriscada misturar uma moda tão refinada a um filme tão popular, não?

Foi um momento de diversão. Achamos que podia ser especial ter uma aparição dos atores depois de um desfile tão denso e conceitual. A aposta deu certo e as pessoas puderam dar risada. É sempre bom poder rir. 

Tudo o que sabemos sobre:
modaValentino

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.