'EU VIM COMBINAR COM OS RUSSOS'

Dilma tenta explicar frase de Garrincha em 1958

MOSCOU, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2012 | 02h08

'Eu vim aqui combinar com os russos', disse a presidente Dilma Rousseff a seu anfitrião Vladimir Putin, ao fim de uma desastrada tentativa de relatar aos russos a história ambientada na Copa do Mundo de 1958, cujos protagonistas são o jogador Garrincha e o treinador Vicente Feola.

Dilma e Putin estavam sentados lado a sala no Salão Malaquita do Kremlin, onde leram a uma plateia de autoridades e jornalistas suas declarações sobre a reunião de trabalho que haviam encerrado pouco antes. Depois de falar de temas da agenda bilateral e de questões internacionais, a brasileira anunciou que concluiria seu pronunciamento com uma história relacionada aos dois países e ao futebol.

"Quando nós disputamos a Copa do Mundo aqui...", começou a presidente, para ser interrompida pelo ministro do Desenvolvimento Fernando Pimentel, que a corrigiu: "Na Suécia". Dilma retomou: "Aliás, foi na Suécia, mas quando disputamos a final com a Rússia..." Outra voz do grupo de ministros fez nova correção: "Não foi final, foi semifinal".

Ao que a presidente respondeu: "Você veja que nossos ministros estão todos muito atentos aos detalhes futebolísticos que envolvem Rússia e Brasil". Dilma retomou a anedota e falou da lendária preleção em que Feola orienta Garrincha a fazer dribles mirabolantes e colocar a bola no gol adversário. "Mas, treinador, o senhor já combinou com os russos?", narrou a presidente. "Eu quero dizer que vim aqui combinar com os russos, desta vez."

Apesar da disposição, Dilma voltou sem arrancar dos russos o acordo para retomada da importação de carnes do Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso, interrompida em junho de 2011.

Antes do encontro com Putin, a presidente já havia usado metáforas futebolísticas no discurso de encerramento de seminário que reuniu empresários brasileiros e russos em Moscou. Mas, de novo, não demonstrou a mesma desenvoltura no tema que seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva.

Ao falar da Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016, a presidente se confundiu sobre as habilidades do País: "O Brasil espera ser tão competente dentro... aliás, fora dos campos de futebol para receber as diferentes equipes como é dentro do campo de futebol".

E avisou: "É óbvio que vocês têm a expectativa de ganhar de nós. Mas eu asseguro a vocês que nós vamos ser difíceis de ser derrotados". / C.T.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.