Adriano Machado/Reuters - 29/1/2020
Bolsonaro quer mudar regra do ICMS de combustíveis. Adriano Machado/Reuters - 29/1/2020

Eu zero o imposto federal se os governadores zerarem o ICMS, diz Bolsonaro sobre combustíveis

Presidente responsabiliza os Estados pelo preço que chega ao consumidor nos postos e quer mudar regra do ICMS; governo federal arrecadou R$ 27,4 bi em 2019 com Pis/Cofins e Cide sobre combustíveis

Julia Lindner e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2020 | 09h35
Atualizado 05 de fevereiro de 2020 | 19h54

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro reagiu nesta quarta-feira, 5, a críticas de governadores sobre a intenção do governo de alterar a forma de cobrança de ICMS sobre a gasolina e o diesel, e voltou a responsabilizar os Estados pela alta do preço nos combustíveis. Em uma provocação, disse que poderia "zerar" tributos federais caso os chefes dos executivos locais também topem acabar com a incidência do imposto estadual.

"Eu zero o (imposto) federal, se zerar ICMS. Está feito o desafio aqui. Eu zero o (imposto) federal hoje e eles (governadores) zeram ICMS. Se topar, eu aceito. Está ok?", afirmou Bolsonaro, sem explicar como compensaria a perda de arrecadação que a medida acarretaria. 

Em comunicado conjunto divulgado na segunda-feira, 3, 23 governadores reagiram à proposta de Bolsonaro de encaminhar um projeto ao Congresso que propõe a incidência de um valor fixo de ICMS por litro, e não mais sobre a média de preço cobrado nos postos.

A iniciativa causou grande desconforto nos governadores, já que o  ICMS é um tributo dos Estados. Há uma avaliação entre os governadores de que o  presidente adota uma postura populista ao tentar colocar no colo dos Estados uma responsabilidade dos preços altos para enfraquecê-los nas próximas eleições. Eles avaliam que Bolsonaro deveria trabalhar para reduzir a tributação federal sobre combustíveis.

Ao tratar do assunto nesta quarta-feira, durante entrevista na porta do Palácio da Alvorada, o presidente voltou a reclamar que a redução no preço do combustível nas refinarias não é refletida no valor cobrado nos postos para o consumidor final.

"Pelo menos a população já começou a ver de quem é a responsabilidade. Não estou brigando com governador, eu quero que o ICMS seja cobrado no combustível lá na refinaria, e não na bomba", disse Bolsonaro. "Eu baixei três vezes o combustível nos últimos dias e na bomba não baixou nada."

Questionado sobre a contrariedade de governadores à proposta, Bolsonaro reagiu: "É lógico que governadores são contra (mudar regra de ICMS), arrecadação, né?".

O presidente vem defendendo uma alteração na cobrança do ICMS sobre combustíveis. Segundo ele, o imposto é o responsável pelos altos preços cobrados na bomba ao consumidor e devia ser cobrado nas refinarias, e não no ato da venda no posto de combustível, como ocorre atualmente. De acordo com Bolsonaro, pelo sistema atual, os postos aumentam o preço final para compensar o gasto com o imposto. Os tributos federais que incidem sobre combustíveis são a Cide e o PIS/Cofins.

Impacto para a União seria de R$ 27 bi

Zerar os tributos incidentes sobre os combustíveis custaria aos cofres do governo federal R$ 27,4 bilhões em 2019. De acordo com a Receita Federal, o maior tributo federal sobre os combustíveis é a Cofins, cuja arrecadação no ano passado chegou a R$ 20,2 bilhões, seguido pelo PIS, com R$ 4,3 bilhões, e a Cide, com R$ 2,9 bilhões.

Ao deixar na manhã desta quarta o Ministério da Economia para reunião com Bolsonaro, Paulo Guedes não respondeu a perguntas da imprensa sobre a possibilidade de zerar os tributos sobre os combustíveis. Mais cedo, ao chegar ao edifício-sede da pasta, o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, também não comentou o desafio proposto pelo presidente Bolsonaro.

Desde a crise dos caminhoneiros, em  maio de 2018, ainda na gestão de Michel Temer, o governo reduziu as alíquotas de PIS/Cofins e da Cide sobre o diesel. No ano passado, essas duas desonerações já custaram ao governo federal R$ 7,8 bilhões e R$ 2,8 bilhões, respectivamente. 

Confira como é composto o preço do combustível para o consumidor

Gasolina

  • Distribuição e revenda: 12%
  • Custo do etanol anidro*: 14%
  • ICMS (imposto estadual): 29%
  • Cide e PIS/Pasep e Cofins (impostos federais): 15%
  • Parcela da Petrobrás: 30%

    *Composição: 73% gasolina A e 27% etanol anidro na gasolina comum e aditivada - na gasolina premium é de 25%

Diesel 

  • Distribuição e revenda: 15%
  • Custo do biodiesel*: 9%
  • ICMS (imposto estadual): 15%
  • Cide e PIS/Pasep e Cofins (impostos federais): 9%
  • Parcela da Petrobrás: 52% 

    *Composição: 89% de diesel e 11% de biodiesel

Os  cáculos foram feitos com base nos preços médios da Petrobrás e nos preços médios ao consumidor final em 13 capitais e regiões metropolitanas entre os dias 19 de janeiro deste ano e 25 de janeiro. A fonte para as informações é a Petrobrás, com dados da ANP e CEPEA/USP. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

'Na base da bravata, isso me lembra populismo', diz Doria sobre ICMS de combustíveis

Governadores criticam pressão pela redução do imposto sobre combustíveis; presidente voltou a responsabilizar os Estados pelo preço da gasolina e do diesel para o consumidor

Daniel Weterman, Adriana Fernandes e Vinícius Valfré, O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2020 | 13h53
Atualizado 05 de fevereiro de 2020 | 19h57

BRASÍLIA - Os governadores de São Paulo, João Doria (PSDB), do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), e do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), criticaram a pressão do presidente Jair Bolsonaro para que os Estados reduzam o ICMS sobre os combustíveis.

Doria chamou de "populista e pouco responsável" a atitude do chefe do Planalto. Nesta quarta-feira, 5, Bolsonaro voltou a responsabilizar os Estados pela alta do preço nos combustíveis. "Eu zero o (imposto) federal, se zerar ICMS. Está feito o desafio aqui. Eu zero o (imposto) federal hoje e eles (governadores) zeram ICMS. Se topar, eu aceito. Está ok?", afirmou. O comentário foi uma reação a críticas de governadores sobre a intenção do governo federal de alterar a forma de cobrança de ICMS sobre a gasolina e o diesel

Após reuniões com senadores do PSDB em Brasília, Doria rebateu o "desafio". "Na base da bravata, a bravata me lembra populismo, populismo me lembra algo ruim para o Brasil", disse o tucano, afirmando que os governadores poderiam mas não foram chamados para um diálogo com Bolsonaro sobre o assunto. 

Para Doria, o presidente da República não pode "jogar no colo" dos governadores a responsabilidade, pois a União tem incidência maior no preço dos combustíveis. "Mas a imposição aos governadores dos Estados brasileiros do que cabe a eles, a responsabilidade na redução do ICMS e consequentemente do preço dos combustíveis, é uma atitude populista e ao meu ver pouco responsável."

O preço dos combustíveis marca mais uma disputa de discursos entre Bolsonaro e Doria, possíveis adversários na disputa presidencial de 2022. "Entendimento se faz reunindo, agrupando, não se faz por WhatsApp. Eu não conheço governo por WhatsApp", provocou o governador. 

'Debate pela imprensa'

Eduardo Leite disse que "não é razoável, sensato e lógico" o presidente querer que os Estados façam uma redução abrupta do ICMS, enquanto o governo federal impõe aos governadores despesas maiores.

O governador, que administra uma saída para a crise fiscal de décadas do Estado, reclamou do aumento de 12,80% do piso do magistério num cenário de crescimento de 1% e inflação de 4%. De acordo com Leite, o aumento no piso do magistério elevou em R$ 350 milhões as despesas do Estado com a folha de pessoal. O ICMS dos combustíveis é uma das principais fontes de arrecadação dos Estados. 

“A forma como esse debate está se travando pela imprensa e declarações em redes sociais não é formato para quem quer resolver o assunto. Se queremos resolver o assunto, que sentemos, conversemos para efetivamente resolvermos”, disse  Leite, que participou de evento em Caxias do Sul.

Para Casagrande, do Espírito Santo, com o "desafio" do ICMS Bolsonaro "cria debate falso, rasteiro e superficial nas redes sociais". "Ele tem estilo de fazer política lançando cortina de fumaça. Ele sabe que é assunto que ele tem que resolver e não pode terceirizar essa responsabilidade", afirmou.

Impacto para a União de R$ 27,4 bi

Em nota, a Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco) afirmou que a declaração de Bolsonaro nesta quarta-feira é "irresponsável e inconsequente" e "chantageia publicamente os governadores". "Num momento de agravamento da desigualdade social, aumento da pobreza e redução dos recursos para saúde, educação, saneamento e segurança, o que o presidente propõe ao país é o aumento da miséria e da violência e exclusão social", diz comunicado assinado pelo presidente da entidade, Charles Alcantara.

Zerar os tributos incidentes sobre os combustíveis custaria aos cofres do governo federal R$ 27,4 bilhões em 2019. De acordo com a Receita Federal, o maior tributo federal sobre os combustíveis é a Cofins, cuja arrecadação no ano passado chegou a R$ 20,2 bilhões, seguido pelo PIS, com R$ 4,3 bilhões, e a Cide, com R$ 2,9 bilhões.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Guerra de Bolsonaro com governadores é populismo tributário

Presidente responde à pressão de seguidores nas redes sociais prometendo zerar tributos federais sobre combustíveis se Estados fizerem o mesmo com o ICMS

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2020 | 11h31

O presidente Jair Bolsonaro avançou em caminho perigoso ao prometer zerar os tributos federais cobrados sobre os combustíveis, caso os Estados façam o mesmo com o ICMS.

O movimento do presidente responde à pressão dos seus seguidores nas redes sociais que se queixam do preço dos combustíveis. É difícil imaginar de onde o ministro da Economia, Paulo Guedes, vai cortar as despesas ou aumentar a alíquota de outros tributos para compensar a perda de arrecadação se tiver que abrir mão dos impostos sobre diesel e gasolina.  

O desafio de Bolsonaro também é uma estratégia política de desgastar os governadores que não são aliados em ano de eleições municipais. A mira é extensa, mas foca os governadores de São Paulo, João Doria (PSDB), e do Rio, Wilson Witzel (PSC).

Dois dias antes, 23 governadores assinarem uma carta em protesto à proposta do presidente de encaminhar um projeto ao Congresso para alterar a forma de cobrança do ICMS que incide sobre a gasolina e o diesel. 

Esse tributo é de responsabilidade exclusiva dos Estados. O que irritou os governadores, que cobraram do governo a redução os seus tributos. Os tributos federais  (PIS/Cofins e Cide) têm impacto de cerca de 15% no preço final do combustível ao consumidor e garantiram uma arrecadação de R$ 27,4 bilhões em 2019.

O presidente estica a corda com os governadores, mas o custo desse embate – seja ele financeiro ou político - cairá diretamente no colo do ministro da Economia. Em ano de reforma tributária, a guerra do presidente com os Estados é péssimo caminho.

Se já é difícil fazer uma reforma tributária com diálogo, imagina em meio à guerra política lançada pelo presidente. Os primeiros sintomas do embate entre Bolsonaro e os Estados já ecoaram no Senado, que na terça-feira, 4, se rebelou contra a comissão mista que será formada para convergir as propostas de reforma da Câmara (PEC 45) e do Senado (110). Guedes foi o mais o criticado por não ter enviado ainda a sua proposta. O ministro vira vidraça.

Afinal, a reforma tributária é ou não é prioridade da equipe econômica?

Em março, já se sabe que o Ministério da Economia terá que fazer o primeiro bloqueio de despesas. Como explicar corte de tributo? Que áreas vão perder recursos? 

Governadores ainda em aperto financeiro também terão dificuldade para dispensar receita. Se quisessem mesmo resolver o problema do sistema de cobrança de tributos sobre combustíveis, já deveriam estar todos sentados para negociar a reforma tributária. Enquanto isso, as brigas atrasam  o processo.

 Em tempos de ajuste fiscal (que ainda está longe do fim), não dá para fazer populismo tributário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Precisa de 'amadurecimento', diz secretário do Ministério da Economia sobre 'desafio do ICMS'

Ele evitou comentar o desafio do presidente Jair Bolsonaro que afirmou nesta quarta-feira que zeraria os tributos federais

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2020 | 19h24

BRASÍLIA - O secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, informou ao Estado que a pasta não recebeu documento formal sobre a proposta do presidente Jair Bolsonaro de redução dos tributos federais que incidem sobre os combustíveis.

Ele evitou comentar o desafio do presidente que hoje afirmou que zeraria os tributos federais, se os governadores fizessem o mesmo. “A fala do presidente a ele é devido. O presidente é gestor maior do País”, disse.

Questionado se haveria espaço fiscal, o secretário respondeu: “É uma discussão que precisa ter um amadurecimento. O Ministério da Economia não tem documento formal sobre essa proposta”.

Como mostrou o Estadão/Broadcast, o desafio lançado pelo presidente  Bolsonaro aos governadores custaria aos cofres do governo federal R$ 27,401 bilhões em 2019. Esse é o total arrecadado apenas pela União sobre os combustíveis comercializados no País ano passado.

Nesta quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro desafiou os governadores a zerar o ICMS sobre combustíveis para que ele também zere os tributos federais. "Eu zero o federal se eles zerarem o ICMS. Está feito o desafio aqui agora. Eu zero o federal hoje, eles zeram o ICMS. Se topar, eu aceito. Tá ok?", disse Bolsonaro, na saída do Palácio da Alvorada. 

São dois os impostos federais que incidem sobre os combustíveis: PIS/Cofins e a Cide, que já está zerada para o diesel. O ICMS dos combustíveis é uma das principais fontes de arrecadação dos Estados, que vivem uma situação de crise fiscal. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.