EUA acenam com eliminação de tarifas têxteis na Alca

Os Estados Unidos eliminarão as tarifas de importação sobre produtos têxteis - tecidos e confecções - num prazo de cinco anos a partir da entrada em vigor do acordo de criará a Área de Livre Comércio das Américas, dependendo das concessões que receberem dos demais países do grupo. O fim dessas tarifas é parte da oferta inicial de acesso ao mercado que o ministro do comércio exterior dos Estados Unidos, Robert Zoellick, apresentará hoje. O primeiro prazo para a apresentação dessas ofertas vence no dia 15. Trata-se de uma oferta a ser negociada, e não de uma concessão unilateral. Ela será confirmada ou não à luz das ofertas de acesso a mercado que os países da Alca fizerem aos EUA. A disposição do executivo de abrir o mercado de têxteis encontrará forte resistência no Congresso dos EUA, onde o lobby protecionista da indústria têxtil é forte. O gesto beneficiará sobretudo a América Central, mas é calculado também para criar pressão por uma política favorável à Alca num setor da indústria brasileira e dentro do governo. A empresa da família do vice-presidente José Alencar é grande exportadroa de têxteis e o setor conta com alguns dos principais defensores de uma atitude de engajamento em relação à Alca. As exportações de têxteis para os EUA são atualmente limitadas por tarifas e cotas. Historicamente, o Brasil não preenche suas cotas em vários tipos de produtos. A oferta americana não inclui concessões em agricultura - tópico essencial para o Brasil na Alca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.