portfólio

E-Investidor: qual o melhor investimento para 2020?

EUA apresentam hoje seu plano contra ativos tóxicos

Nova agência governamental comprará ativos estimados em US$ 1 trilhão com ajuda de investidores privados

Efe,

23 de março de 2009 | 03h46

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos apresentará nesta segunda-feira, 23, seu plano contra os ativos tóxicos dos bancos, que, segundo o órgão, bloqueiam todo o sistema financeiro e impedem o começo da recuperação econômica.

 

Veja também:

linkEconomia americana já vê 'luzes de esperança', diz Barack Obama

linkJapão estuda pacote de US$ 208 bi contra recessão

linkCrise financeira chega ao setor da saúde

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise  

 

O plano buscará a ajuda de capital privado para adquirir esses ativos, estimados em US$ 1 trilhão.

 

A iniciativa deve criar uma nova agência governamental, sob o nome de Corporação de Investimento Público, para a compra dos ativos de má qualidade aos bancos com problemas.

 

Esta nova entidade combinará seus recursos com o Federal Reserve (Fed, banco central americano), investidores privados e a Corporação Federal Seguradora de Depósitos - uma agência pública - para a aquisição desses ativos.

 

A Corporação de Investimento Público será financiada com um valor entre US$ 75 bilhões e US$ 100 bilhões, procedentes do plano de resgate financeiro aprovado no ano passado.

 

Além disso, o Departamento do Tesouro expandirá um mecanismo do Federal Reserve, conhecido como TALF, para incluir ativos tóxicos mais antigos.

 

Diante da expectativa criada pelo anúncio do plano, a chefe do Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca, Cristina Romer, advertiu hoje aos mercados que não esperem demais, dizendo que esta "é apenas uma das medidas que serão adotadas".

 

Quando o secretário do Tesouro, Timothy Geithner, apresentou em fevereiro seu plano de resgate do setor financeiro, em meio a grandes expectativas, os investidores consideraram que a iniciativa era vaga demais e os índices das bolsas de valores despencaram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.