REUTERS/Tom Brenner
REUTERS/Tom Brenner

Câmara dos Deputados dos EUA aprova pacote de US$ 2 trilhões contra coronavírus

A medida aprovada na tarde desta sexta-feira, 27, aguarda sanção do presidente Donald Trump

Agências internacionais

27 de março de 2020 | 15h30

WASHINGTON - A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou nesta sexta-feira, 27, o pacote de US$ 2 trilhões para estimular a economia do país, em meio à pandemia de coronavírus. O projeto já havia sido aprovado esta semana no Senado, e  agora segue para sanção do presidente Donald Trump. 

"Nosso país enfrenta uma emergência econômica e de saúde de proporções históricas, por conta da pandemia de coronavírus, a pior pandemia em mais de 100 anos", disse a presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi, ao final de um debate de três horas no plenário da Câmara. 

Após o anúncio da aprovação do projeto, o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, afirmou estar "satisfeito". "Este é o maior pacote de ajuda econômica da história para os trabalhadores americanos e empresas que, sem culpa alguma, foram afetados negativamente pelo surto de coronavírus", escreveu o secretário em um comunicado.

Segundo Mnuchin, o presidente Donald Trump está "totalmente comprometido em garantir que os trabalhadores e as empresas americanas tenham os recursos que precisam". O secretário exaltou, ainda, o acordo bipartidário entre republicanos e democratas pelo pacote fiscal.

Um dos principais pontos do pacote aprovado no Congresso é o envio de US$ 1,2 mil a milhões de americanos com renda inferior a US$ 75 mil por ano, além de US$ 500 adicionais por criança. Também prevê uma extensão do prazo de pagamento do seguro-desemprego.

Também consta do pacote uma quantia de US$ 377 bilhões em empréstimos garantidos pelo governo para pequenas empresas, além de outros US$ 500 bilhões para empresas em dificuldades por causa do coronavírus. Uma quantia de US$ 100 bilhões seria destinada a hospitais que estão na linha de frente do combate à pandemia.



 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.