EUA caminham para o abismo fiscal

Democratas e republicanos ainda não chegaram a um acordo no Congresso que evite medidas que vão entrar em vigor em 1º de janeiro

DENISE CHRISPIM MARIN, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

28 de dezembro de 2012 | 02h03

Sem acordo à vista nos Estados Unidos, parlamentares democratas e republicanos mergulharam ontem no jogo de culpar uns aos outros pela provável queda do país no abismo fiscal. O termo refere-se a medidas automáticas que entrarão em vigor em 1.º de janeiro, com potencial risco de desencadear uma nova recessão. O desembarque em Washington do presidente Barack Obama pouco alterou o ambiente polarizado e de acusações recíprocas no Congresso.

O prazo para alcançar um acordo e evitar o abismo fiscal termina em 31 de dezembro. Em discurso no plenário, o senador Harry Reid, líder democrata na Casa e principal aliado de Obama no Congresso, afirmou não ver sinais de consenso. Reid culpou o principal negociador republicano, John Boehner, presidente da Câmara dos Deputados, por não ter convocado os parlamentares de seu partido a retornar a Washington ontem para retomar as conversas. O senador Mitch McConnell, líder da bancada republicana na Casa, reforçou a crítica a Boehner ao ironizar o fato de ter sido chamado por Obama, um democrata, para as negociações. O presidente conversara com os principais parlamentares dos dois partidos na última quarta-feira.

O senador democrata foi além. Chamou Boehner de "ditador" e o culpou por ter fracassado em sua intenção de votar uma proposta de acordo na sexta-feira. O objetivo foi boicotado pela facção radical do partido, o Tea Party. Por fim, Reid acusou o republicano de estar mais preocupado com sua reeleição para a presidência da Câmara, em 3 de janeiro, do que com o acordo para evitar o abismo fiscal.

"John Boehner parece cuidar mais de sua preservação como presidente da Câmara do que em manter o país em uma firme caminhada fiscal", declarou Reid. "O senador Reid deveria falar menos e legislar mais. A Câmara já passou uma legislação para evitar todo o abismo fiscal. O Senado democrata não fez o mesmo", rebateu o porta-voz de Boehner, Michael Steel, referindo-se a um projeto considerado inaceitável pela Casa Branca.

O clima no Congresso está deteriorado. Contra o relógio, Obama mantém sua mais recente proposta de um acordo fiscal de curto prazo, com medidas apenas para 2013, como meio de evitar os cortes draconianos de gastos públicos e o fim de todos os benefícios fiscais vigentes desde 2006. Mas ele ainda não cedeu em sua exigência da eliminação da redução de Imposto de Renda aos americanos com ganhos anuais acima de US$ 400 mil.

A iniciativa postergaria, mais uma vez, a conclusão de um plano de longo prazo de redução da dívida federal americana, hoje em US$ 16,2 trilhões. Os republicanos também querem uma solução de curto prazo. Mas com conteúdo diferente. Propõem uma rápida prorrogação, por mais um ano, de todos os benefícios fiscais adotados em 2006. A medida favoreceria a fatia dos 2% de americanos mais ricos - o nó górdio de toda a discussão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.