Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

EUA: China promete eliminar subsídios ilegais

O governo chinês prometeu eliminar uma série de subsídios para a exportação em um acordo para convencer os EUA a abandonarem uma queixa formal contra o país junto à Organização Mundial do Comércio (OMC), informou a representante americana para o Comércio, Susan Schwab. "Eu estou muito satisfeita que hoje nós conseguimos assinar um acordo com a China que deve levar à eliminação total destes subsídios proibidos", disse Schwab em comunicado. Sobre o acordo, a China concordou em suspender os subsídios a partir de 1º de janeiro de 2008 e não reintroduzi-los no futuro. "O acordo também demonstra que duas grandes nações comerciantes podem trabalhar juntas para resolver disputas para seu benefício mútuo", declarou Schwab.Os EUA entraram com uma queixa contra a China na OMC em fevereiro, alegando que o país estaria estimulando as exportações de indústrias que iam de produtos de madeira a computadores e aço com subsídios que são considerados ilegais sob as leis do comércio internacional. Os norte-americanos afirmaram que a maioria dos subsídios discutidos eram alívios tributários às exportações, que dava vantagem competitiva injusta aos produtos chineses nos EUA e em outros mercados. Os demais subsídios, conhecidos como auxílio de "substituição às importações", encorajavam as empresas na China a comprar bens chineses em vez de importados.A OMC montou um painel de disputa para avaliar a queixa no último verão (do hemisfério Norte). Schwab declarou hoje que se a China não cumprir seu papel no acordo, os EUA têm o direito de recomeçar o caso. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.