coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

EUA congelam juros para evitar execução de hipotecas

Bush disse que as execuções hipotecárias são uma "carga terrível" para as famílias

Renato Martins, da Agência Estado,

06 de dezembro de 2007 | 18h13

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, anunciou nesta quinta-feira, 6, uma série de medidas para evitar que continue a crescer o número de execuções de hipotecas. O discurso em que o plano foi anunciado foi sobretudo político, sem a apresentação de detalhes. Algumas propostas são acordos voluntários entre provedores de créditos; outras envolverão órgãos do governo. Mas o que realmente animou os investidores foi a confirmação que os juros das hipotecas serão congelados por cinco anos.Bush disse que as execuções hipotecárias são uma "carga terrível" para as famílias e que o crescimento do número de casos "teria um impacto negativo na economia". Ele salientou que o governo dos EUA não vai ajudar "provedores de crédito ou especuladores". Segundo Bush, seu plano vai incluir a exigência de que bancos e financeiras apresentem informações mais detalhadas aos candidatos a empréstimos para financiamentos imobiliários.O presidente dos EUA também criticou o Legislativo. "O Congresso não me enviou um único projeto de lei para ajudar os proprietários de imóveis", afirmou. Ele também exortou o Congresso a aprovar o código tributário dos EUA de modo a ajudar mutuários que obtenham ajuda a evitar a exigência de pagar mais Imposto de renda.Juros congeladosO secretário do Departamento Urbano e de Moradia dos EUA, Alphonso Jackson, que se uniu ao secretário do Tesouro americano, Henri Paulson, na entrevista à imprensa esta tarde, juntamente com representantes do setor de hipotecas e conselheiros de consumidores, confirmou o congelamento das taxas de juros por cinco anos para alguns mutuários do segmento de crédito subprime (alto risco)."Ao congelar as atuais taxas de juro por cinco anos, o setor mais uma vez adotou uma ação decisiva, que será uma boa notícia para centenas de milhares de proprietários de residências norte-americanas", disse Jackson em texto preparado. Ele afirmou que já há resultados das iniciativas do governo e do setor.Paulson anunciou novas diretrizes aos investidores e serviços de hipotecas destinadas a acelerar o refinanciamento ou reestruturar as hipotecas dos mutuários em dificuldades. Paulson disse que os procedimentos acelerados, que fazem parte do pacote de governo e das medidas do setor destinados a limitar a ampliação da crise das hipotecas, podem ajudar até 1,2 milhão de mutuários de hipotecas de segunda linha (subprime) a conseguirem uma via rápida para a renegociação.

Tudo o que sabemos sobre:
Subprime

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.