EUA continuam maior comprador de produtos brasileiros

Os principais mercados compradores dos produtos brasileiros em fevereiro foram os Estados Unidos - aumento de 31,5% na comparação com fevereiro de 2004 -, que compraram principalmente produtos siderúrgicos, máquinas e equipamentos, aeronaves, madeira, automóveis, aparelhos elétricos, suco de laranja, celulose, café, móveis e minério de ferro.A Argentina, para onde as exportações brasileiras em fevereiro expandiram-se 43,5% em relação ao mesmo mês do ano passado, destacaram-se as vendas de automóveis e autopeças, telefones celulares, minério de ferro, máquinas e equipamentos, plásticos, químicos orgânicos e inorgânicos.O secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Ivan Ramalho, destacou a continuidade, em fevereiro, do processo de diversificação dos mercados compradores dos produtos brasileiros. "Na comparação com janeiro de 2005, todos apresentaram crescimento superior a 100%", afirmou o secretário.Nesta lista de países consumidores, destacaram-se Trinidad e Tobago, Turcomenistão, Zimbábue, Senegal, Madagascar, Costa do Marfim, Irlanda, Filipinas, Somália. Meta mantidaO secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Ivan Ramalho, destacou hoje que, apesar do desempenho "excepcional" das exportações brasileiras em fevereiro, a meta do governo para este ano continua sendo US$ 108 bilhões."Como superamos a meta histórica de US$ 100 bilhões nos últimos doze meses encerrados em fevereiro, acreditamos que essa meta anual é perfeitamente factível", afirmou o secretário.Segundo ele, todos os resultados da balança comercial brasileira nos doze meses acumulados representam recordes históricos. A corrente de comércio, por exemplo, alcançou US$ 165,2 bilhões entre março de 2004 e fevereiro de 2005. As exportações, em doze meses, somaram US$ 100,153 bilhões, as importações no período totalizam US$ 65,054 bilhões, com o superávit comercial acumulando US$ 35,099 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.