Reuters
Reuters

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

EUA criam 156 mil empregos em setembro, abaixo da previsão de analistas

Apesar de resultado mais fraco, as apostas de elevação de juros pelo BC dos EUA na reunião de dezembro aumentaram

Dow Jones Newswires

07 de outubro de 2016 | 10h18

WASHINGTON - A economia dos Estados Unidos criou 156 mil vagas em setembro, o ganho mais modesto desde maio, informou nesta sexta-feira o Departamento do Trabalho. Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam 170 mil novos postos de trabalho no país.

O governo também revisou dados de meses anteriores, embora nesse caso o panorama não tenha mudado muito. A economia dos EUA criou 167 mil vagas em agosto, mais que as 151 mil antes reportadas, e em julho foram gerados 252 mil empregos, menos que os 272 mil antes divulgados.

O crescimento nos salários dos trabalhadores acelerou no mês de setembro. Os funcionários do setor privado ganharam, em média, US$ 25,79 por hora em setembro, alta de 0,2% na comparação com o mês anterior. Houve crescimento de 2,6% nesse indicador na comparação anual.

A taxa de participação da força de trabalho ficou em 69,2% em setembro, de 69,1% em agosto. Essa taxa está perto do patamar mais baixo desde o fim dos anos 1970, em parte por causa da aposentadoria da geração do chamado baby boom, mas também porque muitos norte-americanos em idade de trabalho desistiram de buscar trabalho.

Mesmo com o progresso na geração de vagas, muitos norte-americanos queriam trabalhar mais horas. A parcela dos que estão sem emprego, sem desejar trabalhar apenas meio período ou ainda desencorajados a buscar trabalho ficou em 9,7% em setembro, no mesmo patamar de agosto.

O número de horas médio trabalhado na semana subiu de 34,3 horas em agosto para 34,4 em setembro

A taxa de desemprego nos Estados Unidos subiu a 5,0% em setembro, de 4,9% em agosto, informou o Departamento do Trabalho. O resultado ficou acima da previsão dos analistas consultados pela Dow Jones Newswires, que esperavam manutenção do número.

Uma medida mais ampla do desemprego - que inclui os norte-americanos com trabalho de período parcial ou desanimados para procurar emprego - permaneceu em 9,7% em agosto.

Já a taxa de participação na força de trabalho dos EUA subiu marginalmente a 62,9% em setembro, de 62,8% em agosto.

Juros. Apesar de o documento conhecido como "payroll" ter vindo aquém da expectativa, as apostas de elevação de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) na reunião de dezembro aumentaram após o relatório. 

A presidente da distrital do Fed em Cleveland, Loretta Mester, comentou à emissora CNBC que o relatório de setembro foi "sólido" e que faz sentido voltar a elevar juros.

Os futuros dos Fed funds mostravam que a chance de uma elevação de juros pelo BC dos EUA em dezembro estava em 65,6%, ante 63,9% momentos antes do indicador. Já para novembro, as apostas de aumento de juros diminuíram para 9,3%, de 15,5% anteriormente.

Tudo o que sabemos sobre:
Estados UnidosEmpregoDesemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.