STAN HONDA/AFP
STAN HONDA/AFP

EUA criam 215 mil empregos em março e salários voltam a subir

Ainda assim, a taxa de desemprego do país teve ligeira alta, passando de 4,9% para 5%; após dados, mercado aumenta apostas de elevação dos juros pelo Fed

Dow Jones Newswires

01 de abril de 2016 | 10h21

WASHINGTON - A economia dos Estados Unidos criou 215 mil empregos em março, segundo relatório divulgado nesta sexta-feira, 1. O resultado veio um pouco acima da expectativa de analistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam a geração de 213 mil vagas.

Apenas o dado de fevereiro foi revisado para cima, de 242 mil para 245 mil vagas. O resultado combinado de janeiro e fevereiro, porém, mostra que os empregadores criaram 1 mil postos a menos do que foi originalmente estimado. No primeiro trimestre, os EUA abriram, em média, 209 mil postos de trabalho por mês.

O salário médio por hora trabalhada subiu 0,28% (+US$ 0,07) em março ante o mês anterior, a US$ 25,43. Neste caso, a previsão dos economistas era de alta ligeiramente maior, de 0,3%. Na comparação anual, os ganhos dos trabalhadores subiram 2,3% no mês passado. Em fevereiro, a média salarial havia recuado ante o mês anterior. A média de horas trabalhadas, por sua vez, ficou inalterada em março, em 34,4 horas.

A taxa de desemprego nos EUA, por sua vez, subiu para 5,0% em março, de 4,9% em fevereiro. O resultado ficou levemente acima da previsão dos analistas consultados pela Dow Jones Newswires, que esperavam manutenção da taxa.

Uma medida mais ampla do desemprego - que inclui os norte-americanos com trabalho de período parcial ou desanimados para procurar emprego - aumentou para 9,8% em março, de 9,7% em fevereiro, quando havia atingido o nível mais baixo desde maio de 2008.

Por outro lado, a taxa de participação na força de trabalho dos EUA subiu para 63,0% em março, de 62,9% em fevereiro. A medida havia atingido o piso de 62,4% em setembro - o nível mais baixo desde 1977 - mas vem crescendo conforme mais pessoas começam a entrar na força de trabalho ou se animam para procurar emprego. 

Juros. As apostas em uma elevação dos juros em junho pelo Federal Reserve, o banco central norte-americano, aumentaram após a divulgação do relatório mensal de empregos (payroll) de março nos Estados Unidos. De acordo com dados do CME Group, a probabilidade de uma alta nas taxas na reunião de junho subiu de 23% antes do indicador para 30% agora. No caso da possibilidade de uma alta em abril, os investidores veem uma chance de apenas 5% agora, de 6% antes do dado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.