Washington Post photo by Jabin Botsford
Washington Post photo by Jabin Botsford

EUA criam 223 mil postos de trabalho em maio e taxa de desemprego recua a 3,8%

Com o resultado, a taxa de desemprego norte-americana se igualou ao nível de abril de 2000, o mais baixo desde 1969; mês de maio marcou o 92º mês seguido de criação de empregos, a série mais longa da história dos EUA

Dow Jones Newswires

01 Junho 2018 | 10h59

Os Estados Unidos criaram 223 mil empregos em maio, segundo dados publicados nesta sexta-feira, 1º, pelo Departamento do Trabalho. O resultado veio acima da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam geração de 190 mil vagas.  O mês de maio marcou o 92º mês seguido de criação de empregos nos EUA, a série mais longa da história.

+ EUA impõe tarifas ao aço e ao alumínio do México, do Canadá e da UE

Já a taxa de desemprego recuou de 3,9% em abril para 3,8% em maio, igualando o nível de abril de 2000, que foi o mais baixo desde 1969. A previsão era de manutenção da taxa, a 3,9%.

+ Diesel no Brasil está mais caro do que nos EUA e vizinhos, mas abaixo da média mundial

Números revisados mostraram que a economia americana gerou 159 mil postos de trabalho em abril e 155 mil em março, resultando num ganho líquido de 15 mil no período.

O salário médio por hora dos trabalhadores subiu 0,30% no mês passado ante abril, ou US$ 0,08, para US$ 26,92 por hora. O dado veio acima da previsão de acréscimo de 0,20%. Na comparação anual, o aumento foi de 2,7%.

+ OPINIÃO As expectativas pioraram na América Latina

Cerca de uma hora antes da publicação dos dados, o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou em sua conta oficial no Twitter que estava "ansioso" para ver os últimos números do mercado de trabalho americano.

 

 

Efeitos. Com o dado acima das expectativas, a Bolsa americana deve operar em alta e os investidores já falam em nova alta de juros pelo banco central americano (FED).  Segundo as apostas monitoradas pelo CME Group, 91,3% dos investidores preveem uma elevação de juros de 0,25 ponto porcentual na próxima reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que termina em 13 de junho, enquanto apenas 8,7% acreditam que os juros podem seguir no nível atual. Antes do dado, 11,3% esperavam manutenção e 88,8%, uma alta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.