Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

EUA devem injetar US$ 6 bi na Chrysler e agilizar fusão com Fiat

Governo pressionou pela demissão de presidente da GM, mas não se pronunciou sobre ajuda à empresa

Agências internacionais,

30 de março de 2009 | 08h47

O governo dos Estados Unidos deve injetar US$ 6 bilhões na Chrysler para ajudar o fluxo de caixa da empresa por um mês. Em troca, a montadora deve agilizar sua fusão com a Fiat, informaram nesta segunda-feira, 30, membros do grupo de trabalho que discute o resgate à indústria automobilística na Casa Branca.

Veja também:

linkPresidente da Peugeot Citroën é destituído do cargo na França

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

 Ontem, o presidente da GM Rick Wagoner anunciou sua demissão, também um requisito do governo para a ajuda à montadora, que está à beira da falência. No entanto, o grupo de trabalho não se pronunciou sobre o pedido de US$ 16 bilhões em ajuda feito pela empresa.

Eu estava na sexta-feira em Washington para uma reunião com funcionários do governo. Durante o encontro, eles solicitaram a minha demissão como CEO da GM e por isso eu decidi deixar o cargo", disse o executivo em comunicado divulgado pela montadora. Wagoner será sucedido por Frederick "Fritz" Henderson, diretor de operações da GM.

"Tendo trabalhado em estreita colaboração com Fritz por muitos anos, eu sei que ele é a pessoa ideal para liderar a companhia através da realização dos nossos esforços de reestruturação," afirmou Wagoner, segundo o comunicado, acrescentando estar "pronto para apoiar Henderson".

Autoridades do governo disseram, em comunicado à imprensa antes da entrevista que será concedida pelo presidente Barack Obama nesta segunda-feira, que a Casa Branca dará as montadoras capital de giro suficiente para trabalhar com os acionistas a fim de adotar estratégias mais agressivas. O comunicado alertou, no entanto, que uma "rápida e cirúrgica" falência pode ser a melhor chance de sobrevivência para cada empresa.

No caso da GM, o governo vai fornecer capital de giro para 60 dias. Apesar de ter considerado o plano atual da empresa inviável, a Casa Branca manifestou confiança de que a montadora pode sobreviver.

A visão da Casa Branca sobre a Chrysler foi mais dura: ela não acredita que a empresa é viável como uma entidade autônoma.

O potencial acordo entre a Chrysler e a Fiat, no entanto, poderia proporcionar um "caminho para a viabilidade," disse o governo. A Chrysler ganhará capital de giro para 30 dias, período que a Casa Branca considera suficiente para a montadora completar o acordo com a Fiat.

O governo norte-americano disse que a Fiat se comprometeu a fabricar automóveis e motores mais eficientes nos EUA como parte de um acordo com a Chrysler.

Um funcionário do governo disse que não poderia colocar um valor sobre o montante de capital de giro que será concedido, enquanto as montadoras aprimoram seus planos.

A GM e a Chrysler receberam em dezembro um total de US$ 17,4 bilhões em empréstimos do governo e solicitaram outros US$ 22 bilhões para continuar operando durante este ano. A força-tarefa do governo Obama tem usado os planos de reestruturação apresentados pelas empresas para julgar se elas merecem ou não receber mais capital. O veredicto divulgado ontem pelo governo é de que, na forma atual, os planos não justificam qualquer injeção de novos recursos.

Tudo o que sabemos sobre:
MontadorascriseEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.