coluna

Louise Barsi: O Jeito Waze de investir - está na hora de recalcular a sua rota

EUA devem passar o Brasil na produção de etanol

Graças à adoção de novas tecnologias na fabricação do etanol, principalmente o obtido a partir de celulose, os Estados Unidos - e não o Brasil - deverão se consolidar como o maior produtor global do combustível por volta de 2010. Tal projeção foi feita pelo diretor do Centro Nacional de Referência de Biomassa da Universidade de São Paulo e coordenador para o Brasil do Painel Inter-governamental sobre Mudança Climática da Organização das Nações Unidas (ONU), José Roberto Moreira, num evento da Câmara de Comércio Brasil-EUA. De acordo com o Ministério da Agricultura, em 2006 o Brasil deve produzir cerca de 16 bilhões de litros de etanol. E segundo o grupo Coalizão pelo Etanol, que defende os interesses dos produtores de combustível nos Estados Unidos, a produção americana deve alcançar cerca de 18,9 bilhões de litros em 2006.?O governo americano estabeleceu uma meta de que os Estados Unidos terão que consumir cerca de 31 bilhões de metros cúbicos de etanol na virada da década,? disse Moreira, um dos maiores especialistas mundiais sobre o tema. ?O Brasil não terá como produzir tanto etanol.?De acordo com ele, por volta de 2010, a produção brasileira de etanol deverá alcançar cerca de 17,3 bilhões de litros por ano. Na mesma época, a produção americana deverá exceder os 20 bilhões de litros do combustível.Exportação brasileira ?Para atingir a meta, os americanos terão que expandir radicalmente sua produção,? acrescentou. ?Como produzir álcool de milho é uma coisa muito árdua, eles terão que desenvolver o etanol a partir de celulose, além de importar imensas quantidades do produto.?Portanto, para Moreira, mesmo a vice-liderança na produção mundial de etanol pode significar uma grande oportunidade de exportação para os produtores de etanol brasileiro nos Estados Unidos.Ao contrário dos Estados Unidos, onde o crescimento do consumo de etanol já provoca a escassez do produto, o Brasil, que segundo a Petrobras já exporta cerca de 1 bilhão de litros de etanol por ano, poderá expandir sua produção visando o mercado externo. ?O Brasil dispõe de todos os recursos necessários para produzir uma enorme quantidade de etanol à base de cana-de-açúcar,? disse Ted Helms, diretor da Petrobras em Nova York. ?Como o consumo doméstico brasileiro não vai crescer tanto como nos Estados Unidos, o Brasil terá muito etanol para exportar.? ?É por isso que os fazendeiros americanos estão amedrontados. A questão [da importação] do etanol brasileiro aqui nos EUA é não da ordem da política energética, mas de política agrícola,? afirmou Helms.Tarifa Atualmente, os Estados Unidos cobram uma tarifa de US$ 0,54 por galão de etanol importado do Brasil. A maior parte do etanol importado pelos americanos é produzida por países da América Central, com quem os norte-americanos têm acordos preferenciais de comércio.Segundo José Roberto Moreira, o Brasil, que já questiona o protecionismo americano agrícola na Organização Mundial do Comércio (OMC), deverá ser beneficiado pela expansão do consumo global.?Os americanos vão acabar se convencendo de que é mais interessante trocar a gasolina, que vem de apenas sete ou oito países do Oriente Médio, pelo etanol, que além de ser um combustível mais limpo, é produzido por 104 países em todo o mundo,? disse. De acordo com Moreira, é importante para os produtores brasileiros obter o apoio dos produtores de etanol americanos, ?já que a indústria americana do petróleo é muito refratária.?Créditos de carbono Para os investidores, o mercado de etanol oferece a oportunidade de investimentos no mercado de créditos de carbono, um mecanismo criado pelo Protocolo de Kyoto, pelo qual países desenvolvidos e com grandes emissões de carbono podem pagar a países em desenvolvimento com índices menores de emissão. ?Graças a projetos de biomassa, como o etanol, o Brasil será um dos maiores mercados potenciais para o comércio de créditos de carbono,? disse Adriana Fixel, advogada do escritório de advocacia e consultoria Thompson & Knight. De acordo com Fixel, graças à utilização de combustíveis ?verdes,? o Brasil terá deixado de emitir cerca de 144 milhões de toneladas de gás carbônico na atmosfera até 2012. Hoje, o Brasil conta com 45 projetos de venda de carbono já registrados junto aos países signatários de Kyoto, além de 18 em fase de registro e 80 ainda na fase inicial de validação. O comércio de créditos de carbono deve começar em 2008.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.