EUA devem sair da recessão no 2º semestre, diz Casa Branca

Apesar de mais otimista do que os anteriores, relatório traz previsão de crescimento de apenas 0,6% neste ano

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

16 de janeiro de 2009 | 15h48

A administração do presidente George W. Bush disse que a economia dos Estados Unidos deverá emergir da recessão no segundo semestre do ano - uma previsão otimista divulgada dias antes da posse do presidente eleito Barack Obama, que vai herdar uma recessão e um gigantesco déficit orçamentário.  Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  "As ações tomadas pela minha administração em resposta à crise financeira assentaram as bases para um retorno ao crescimento econômico e criação de emprego e elas estão começando a mostrar algum resultados iniciais", disse o presidente Bush em uma carta ao Congresso que acompanhou o anual Relatório Econômico do Presidente.  O relatório, preparado pelo Conselho de Assessores Econômico da Casa Branca, diz que o crescimento econômico deve ser um anêmico 0,6% este ano, depois de uma contração de 0,2% em 2008. É esperada uma continuidade da contração no primeiro semestre do ano, antes da retomada do crescimento no segundo semestre. Para 2010 e 2011, a Casa Branca projeta um crescimento de 5,0%.  Refletindo a atual queda no PIB, a Casa Branca disse que prevê um aumento na taxa de desemprego para, na média, 7,7% este ano. "A magnitude da crise exigiu respostas de política sem precedentes para reduzir a extensão dos danos para a economia", diz o relatório. "Estas ações de política assentaram a base para uma forte recuperação econômica no início do mandato da próxima administração", diz a carta.  O relatório da Casa Branca é mais otimista do que a maioria das demais projeções. Na semana passada, a previsão do Escritório de Orçamento do Congresso (CBO) prevê uma contração de 2,2% em 2009, um desempenho que marcaria o pior desde a Segunda Guerra Mundial. O CBO prevê que a taxa de desemprego alcance uma máxima ao redor de 9% em 2010.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.