Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

EUA discutem sistema nacional de rastreamento de rebanhos

Proposta visa atender à exigência dos países importadores; com sistema, exportações podem crescer 35%

Ana Conceição, da Agência Estado,

27 de agosto de 2009 | 14h19

Integrantes do setor pecuário dos Estados Unidos discutem nesta quinta-feira, 27, na Conferência Nacional sobre Identificação de Animais, a viabilidade da adoção de um sistema nacional de rastreamento de rebanhos.

 

De acordo com alguns participantes do evento, realizado em Kansas City, embora oneroso, um sistema nacional poderia abrir novos mercados para a carne do país. Além disso, há sempre o risco de algum importador exigir a medida, já que há vários deles adotando rastreamento em seus próprios rebanhos.

 

Os EUA têm, atualmente, uma extensa variedade de programas de verificação de origem para atender exigências de vários países, mas há quem tema a perda de mercados se houver a exigência de um sistema nacional. Ted Schroeder, professor de economia agrícola da Universidade Estadual do Kansas, disse durante a conferência que a perda hipotética de todos os mercados de carnes custaria US$ 9,1 milhão por dia ao setor de bovinos norte-americano e US$ 3,1 milhões ao segmento de suínos. Em um ano, esses valores cresceriam para US$ 3,3 bilhões e US$ 1,1 bilhão, respectivamente.

 

Para Schroeder, os EUA precisam aumentar suas exportações de carne bovina para manter viável todo o sistema de produção, processamento e distribuição do produto. Para ele, se o país adotasse um sistema nacional de rastreamento amanhã, com 30% de participação dos pecuaristas, a exportação poderia crescer 8%. Com 90% de participação, esse aumento seria de 34,9%.

 

Se nada for feito, "veremos o acesso aos mercados cada vez mais difícil. Poderemos perder fatia de mercado", advertiu Schroeder.

 

Além disso, os consumidores norte-americanos estão se tornando cada vez mais exigentes a respeito da informação sobre cada alimento. Programas de marketing direto mostram que saber onde e como a carne foi produzida é uma questão cada vez mais importante para um número crescente de pessoas. Apesar disso, a adoção de um sistema de rastreamento nacional, com 30% de participação dos produtores, poderia aumentar a demanda doméstica em apenas 0,25%, e com 90% de participação haveria um crescimento de 0,98%, segundo o professor de Kansas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUArastreamentorebanhosbois

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.