EUA divulgam pior PIB em 5 anos e bolsas abrem em queda

Divulgação do PIB reforça ainda mais a atenção dos mercados para a decisão do banco central dos EUA

Carolina Ruhman, da Agência Estado,

30 de janeiro de 2008 | 13h02

Os investidores receberam com pessimismo a notícia de que o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos teve em 2007 o pior desempenho em cinco anos. Dados divulgados na manhã desta quarta-feira, 30, mostram que o PIB avançou 0,6% no quarto trimestre e 2,2% no ano todo - menor taxa anual desde o crescimento de 1,6% em 2002. As bolsas de Nova York abriram em baixa. Às 12h50 (horário de Brasília), o índice Dow Jones - que mede o desempenho das ações mais negociadas em Nova York - cai 0,40%. A Nasdaq - bolsa que negocia ações do setor de tecnologia e internet - cai 0,32%. Veja mais:PIB dos EUA tem em 2007 menor crescimento anual em 5 anosBNP Paribas prevê queda no lucro do 4o trimstre A divulgação do PIB americano reforça ainda mais a atenção dos mercados para a decisão do banco central dos EUA (Federal Reserve), que anuncia ainda hoje sua decisão sobre a taxa de juros. Na semana passada, em decisão inesperada, o Fed cortou a taxa em 0,75 ponto porcentual. Para a decisão desta quarta, a aposta majoritária é de um corte de 0,5 ponto porcentual, mas não se descarta uma redução menos agressiva de apenas 0,25 ponto porcentual, o que causa apreensão entre os investidores. Os mercados também podem reagir à notícia divulgada ontem à noite, após o fechamento dos mercados, de que o FBI abriu um inquérito criminal em 14 empresas, por conta das alegações de fraude em diversos estágios do processo de securitização hipotecária. O FBI não informou quais são as empresas, e vai trabalhar junto com a SEC - órgão de fiscalização norte-americano - na apuração. Resultados negativos Os bancos europeus UBS e BNP Paribas revelaram novas perdas relacionadas ao mercado imobiliário norte-americano. O UBS informou que sua baixa contábil no quarto trimestre será de US$ 14 bilhões - US$ 4 bilhões a mais do que o previsto anteriormente -, o que contribuirá para o prejuízo do banco suíço de aproximadamente 4,4 bilhões de francos suíços (US$ 4,02 bilhões) no ano. O BNP informou que seu lucro líquido caiu 42% no quarto trimestre para 1 bilhão de euros, após sofrer baixa contábil de US$ 850 milhões. Já as ações do Merrill Lynch perderam 1,8% no pré-mercado, depois que a Oppenheimer & Co. rebaixou sua recomendação do banco, afirmando que o Merrill tem "a maior probabilidade de novas baixas contábeis em 2008". No setor de tecnologia, as ações do Yahoo! despencaram mais de 10% em Frankfurt, após anunciar queda de 23% em seu lucro no quarto trimestre para US$ 205,7 milhões. O resultado veio em linha com as previsões, mas o mercado não gostou das projeções da empresa. Para o atual trimestre, o Yahoo! prevê uma receita líquida entre US$ 1,28 bilhão e US$ 1,38 bilhão, de uma estimativa de US$ 1,37 bilhão dos analistas. O Yahoo também anunciou que vai cortar 1.000 empregos. O Citigroup reduziu a recomendação do Yahoo de compra para manter. Já as ações da Merck perderam 2,5%, depois de informar seu balanço do quarto trimestre. A empresa informou que registrou prejuízo de US$ 0,75 por ação no quarto trimestre, ante o lucro de US$ 0,22 por ação no ano anterior, devido a uma despesa de US$ 4,85 bilhões para acertar o processo contra o remédio Vioxx e de US$ 185 milhões relacionada a custos de reestruturação. A Boeing, por sua vez, caiu 1,4% no pré-mercado, depois que a empresa cortou sua projeção de receita para o ano de US$ 67,5 bilhões a US$ 68,5 bilhões para a faixa entre US$ 67 bilhões e US$ 68 bilhões. O lucro por ação da Boeing cresceu de US$ 1,30 para US$ 1,35 no quarto trimestre, levemente acima das previsões do mercado de US$ 1,32. Na ponta positiva, as ações da Eastman Kodak ganharam 2,2%. A empresa obteve lucro líquido de US$ 215 milhões (US$ 0,71 por ação) no quarto trimestre, desempenho que indica um salto de 1.244% se comparado ao ganho de US$ 16 milhões (US$ 0,06 por ação) apurado em igual período do ano anterior.

Mais conteúdo sobre:
Crise nos EUAMercado financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.