EUA dizem que pacote manteve 2 milhões de empregos

O pacote de estímulo econômico de US$ 787 bilhões, lançado pelos Estados Unidos no ano passado, foi responsável pela conservação de 1,5 milhão a 2 milhões de empregos na economia até o fim de 2009. A informação consta em relatório da Casa Branca, divulgado ontem, e deve aquecer o debate político sobre o impacto do plano. A taxa de desemprego dos EUA ficou em 10% em dezembro.

MARCÍLIO SOUZA, Agencia Estado

13 Janeiro 2010 | 10h46

O Conselho de Consultores Econômicos de Barack Obama usou modelos macroeconômicos para avaliar se o estímulo foi responsável por fazer com que o nível de PIB ficasse 2% acima do previsto. O relatório credita ao estímulo a estabilização do consumo, do investimento empresarial em equipamentos e do gasto dos governos.

Este já é o segundo relatório que os economistas do Conselho elaboram sobre o impacto. Um estudo anterior estimava que o plano havia mantido um milhão de pessoas em seus empregos até agosto. "A economia obviamente ainda está longe da saúde", observou o relatório de ontem. "Mas as economias não passam de uma hora para outra do declínio para o crescimento robusto. Tendo em vista o que sabemos agora sobre a força do declínio no primeiro trimestre (de 2009), teria sido difícil para a economia estabilizar-se muito mais rápido que isso."

O deputado Darrell Issa, principal republicano no comitê de supervisão da Câmara, descreveu o relatório como "decepcionante". "Essas estimativas não representam um argumento crível de que o estímulo foi bem-sucedido, quando temos 10% de desemprego", disse Issa, apontando para uma mudança que foi feita na forma como são contados os empregos creditados ao plano de estímulo.

A primeira rodada de relatórios encaminhados em outubro sugeria que 640.329 empregos haviam sido "criados ou salvos" como resultado dos recursos do programa de estímulo. Os consultores econômicos disseram que levaram esses números em consideração e que eles combinavam com projeções maiores.

Muitos erros, no entanto, foram encontrados nos relatórios, em meio à dificuldade de se avaliar se um emprego teria existido sem o plano. Para os formulários encaminhados neste mês sobre o trimestre anterior, foi pedido aos provedores de informação que apenas contassem o número de pessoas cujos salários foram pagos utilizando-se os dólares do programa. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
crise pacote empregos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.