bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

EUA e G-8 apóiam plano de Krueger para a Argentina

Os Estados Unidos e todo oG-8 (grupo dos países mais industrializados do mundo) apóiam umplano de ação que está sendo elaborado pelavice-diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI),Anne Krueger, para ajudar a Argentina a sair da crise. Ainformação é do subsecretário do Tesouro dos Estados Unidos,Peter Fischer, durante a 32ª Conferência de Washington doConselho das Américas. Segundo Fischer, o plano que está sendo elaborado por AnneKrueger tem por objetivo implementar um mercado livre naArgentina, considerado no mês passado pelo G-8 condição para opaís sair da crise, durante reunião em Washington por ocasião deencontro entre o FMI e o Banco Mundial. Já o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento(BID), Enrique Iglesias, disse que é indispensável que aArgentina chegue a um acordo com o FMI para poder superar sua"dramática crise econômica, política e social". Iglesiasreclamou que a comunidade internacional acelere de forma urgenteseu apoio. "Agora faz falta apoio internacional, um acordo com o FMI,faz falta que o ritmo se acelere. Tudo vai na direção certa,pelo bom caminho. Esta é uma crise financeira, e faz falta que osistema bancário esteja flutuando." No discurso de abertura da conferência, o secretário deEstado americano, Colin Powell, disse que a administração Bushestá trabalhando com o FMI e com outras instituições financeirasinternacionais e continua comprometida a apoiar assistênciafinanceira adicional para ajudar a economia argentina a seestabilizar e voltar "a situar-se no longo caminho até ocrescimento sustentável". Porém, Powell advertiu que somente com uma reforma econômicaa Argentina não sairá da crise. "Deve também encarar osprofundos defeitos políticos e institucionais que promovem oexcesso nos gastos do setor público, a corrupção, sistemasjudiciais politizados e a ausência de transparência nasatividades do governo", assinalou Powell.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.