Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

EUA estão dispostos a "negociar tudo" na Alca

O representante comercial adjunto dos Estados Unidos, Peter Allgeier, disse hoje, durante a abertura da Cúpula Parlamentar de Integração Continental, que os EUA estão dispostos a "negociar tudo", dentro das discussões para formação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca). Segundo ele, os EUA estão dispostos a reduzir e a eliminar tarifas e a trocar bens e serviços. "Todos os objetivos estão dados. Do ponto de vista dos Estados Unidos, tudo é negociável, e esperamos dos nossos parceiros esse mesmo espírito", afirmou. Allgeier observou que a meta dos EUA é alcançar o livre comércio mundial sob as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC). Segundo ele, o governo norte-americano entende que acordos regionais são o início para o atingir da meta de liberalização global. Ele disse, ainda, que os EUA consideram que esses acordos trazem uma concorrência construtiva e informou que seu país tem interesse em concluir um acordo de livre comércio com o Chile e com a América Central e, quem sabe, até mesmo com a Austrália. O representante adjunto fez uma rápida exposição dos benefícios que o Nafta trouxe para os EUA e para o México. Ele observou que não falaria dos benefícios ao Canadá - o terceiro sócio do Nafta - porque a dúvida que se tem, mesmo em relação à Alca, é se os países em desenvolvimento poderiam ter benefícios em acordos com países desenvolvidos. Segundo Allgeier, o comércio entre México e EUA dobrou em oito anos, e hoje atinge a cifra de US$ 612 bilhões por ano nos dois sentidos. "Se fizermos a conta, veremos que é US$ 1 milhão por minuto", observou.

Agencia Estado,

19 de novembro de 2002 | 12h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.