Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

EUA, Europa e Ásia discutem novas medidas econômicas

Líderes da China e da Europa devem discutir nesta segunda-feira os próximos passos para tirar a economia mundial do precipício, enquanto medidas de estímulos já anunciadas, planejadas ou pendentes levavam otimismo aos mercados. Em Washington, a Casa Branca e parlamentares trabalharam no domingo para resolver as diferenças sobre um pacote emergencial de resgate para as montadoras, que devem incluir pelo menos 15 bilhões de dólares em empréstimos. O plano ganhou urgência após dados mostrarem na sexta-feira que mais de meio milhão de empregos foram cortados no país em novembro. Além disso, uma matéria afirmou nesta segunda-feira que a japonesa Toyota Motor planeja um forte corte nos investimentos de 2009. O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, revelou planos no final de semana para o maior investimento em infra-estrutura desde a década de 1950, que criará 2,5 milhões de empregos e que deve custar, segundo analistas, ao menos 500 bilhões de dólares. EUROPA SE REÚNE O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Gordon Brown, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e o chefe da Comissão Européia, José Manuel Barroso, devem se reunir com líderes empresariais nesta segunda-feira para discutir a economia. Na China, os líderes encontram-se para definir a política econômica do próximo ano, segundo a mídia estatal, em um momento em que o governo tenta estimular o crescimento e o emprego enquanto a demanda externa desacelera. A reunião do Partido Comunista, com autoridades, ministros e líderes das províncias, acaba na quarta-feira, quando o governo deve anunciar a direção da política. Os líderes europeus encontram-se antes de uma cúpula da União Européia em Bruxelas em 11 e 12 de dezembro que estudará as propostas da Comissão Européia para impulsionar a economia com um pacote de gastos de 200 bilhões de euros (250 bilhões de dólares). No Japão, um abalado mercado de commercial paper forçou as empresas do país a recorrer a empréstimos bancários em um ritmo recorde. O mercado de commercial paper teve uma queda de 9,9 por cento em novembro ante igual mês de 2007, a maior em quase dois anos. ÂNIMO NOS MERCADOS Os mercados acionários operavam em forte alta pela manhã, motivados por esperanças de que o acordo sobre as montadoras dos Estados Unidos esteja próximo. O índice de ações da Ásia Pacífico exceto o Japão saltava mais de 7 por cento. No Japão, a bolsa avançou 5,2 por cento. O índice de ações européias avançava mais de 5 por cento. "Há muitas conversas sobre medidas de suporte na China, incluindo compra de mais papéis de bancos, um pacote de resgate do mercado acionário e outras medidas para impulsionar o consumo", disse Peter Lai, diretor do DBS Vickers. A Índia anunciou no domingo que planeja gastar 4 bilhões de dólares em um pacote para estimular o crescimento econômico e restaurar a confiança abalada após ataques de militantes em Mumbai. A Austrália começou a distribuir dinheiro para famílias e pensionistas como parte de um pacote de estímulo anunciado em outubro.

REUTERS

08 de dezembro de 2008 | 09h04

Tudo o que sabemos sobre:
CRISECONSOLIDAMEDIDAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.