EUA evitam rotular China de manipuladora do câmbio

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos disse nesta terça-feira que a moeda chinesa continuava desvalorizada, mas evitou qualificar a segunda maior economia mundial como manipuladora do câmbio.

Reuters

27 de novembro de 2012 | 21h11

Um funcionário do Tesouro disse que a China havia permitido que o iuan se valorizasse 9,7 por cento em termos nominais desde junho de 2010, segundo o relatório semianual do departamento.

Embora Pequim mantenha o iuan, também conhecido como renminbi, em uma faixa de negociação apertada, o Tesouro disse que a China não preenchia os requisitos legais para ser considerada uma manipuladora de moeda. O rótulo é em grande parte simbólico, mas exigiria que Washington abrisse discussões com Pequim para ajustar o valor do iuan.

O governo chinês também reduziu "substancialmente" sua intervenção nos mercados de câmbio desde o terceiro trimestre de 2011 e flexibilizou os controles de capital, disse o Tesouro em seu relatório, que examina as práticas de tipos de câmbio dos grandes sócios comerciais dos Estados Unidos.

"Em vista a esses fatos, o Tesouro concluiu que os padrões identificados (na Ata de manipuladores cambiais) não foram cumpridos em relação à China", disse o Tesouro.

"Contudo, a evidência disponível sugere que o iuan continua significativamente desvalorizado", acrescentou.

(Reportagem de Anna Yukhananov)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCHINACAMBIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.