EUA fazem Bovespa cair abaixo de 62 mil pontos

Chamuscada por novos indícios deforte desaceleração da economia norte-americana, a Bolsa deValores de São Paulo voltou ao pior nível em três semanas. O Ibovespa registrou queda de 1,76 por cento, para 61.867pontos, abaixo dos 62 mil pontos pela primeira vez desde 15 defevereiro. O giro financeiro ficou em 5,1 bilhões, abaixo damédia diária em 2008. No acumulado do mês, o índice teve perdade 2,55 por cento. O fantasma de recessão nos Estados Unidos, que temcastigado as bolsas de valores no mundo inteiro, voltou aassombrar nesta sexta-feira com a divulgação de que foramfechados 63 mil postos de trabalho no país em fevereiro, namaior redução mensal em quase cinco anos. O dado levou dealers de Wall Street a apostar que o FederalReserve (Fed) fará um novo corte de pelo menos 0,5 pontopercentual do juro básico norte-americano em março, mostrou umapesquisa da Reuters. O Fed também fez operações pontuais nomercado nesta sexta-feira, para garantir liquidez ao mercado, oque serviu para amortecer o nervosismo. Não foi o suficiente, porém, para evitar que o índice DowJones recuasse 1,22 por cento, para baixo dos 12 mil pontos. Para Kelly Trentin, analista de investimentos da SLWCorretora, os esforços do BC norte-americano podem ser testadosmais vezes nas próximas semanas, à medida que surjam novasnotícias de perdas relacionadas à crise hipotecária nos EstadosUnidos. "A margem de manobra do Fed está se estreitando",disse. Entre as ações com maior peso na composição do Ibovespa, ospapéis preferenciais da Petrobras caíram 1,1 por cento, a 78,16reais, e os ativos preferenciais da Vale recuaram 1,2 porcento, a 47,95 reais. As líderes de perdas foram os papéis preferenciais daCemig, com declínio de 6,4 por cento, a 31,41, seguidos pelasações preferenciais da Votorantim Celulose e Papel, recuando4,8 por cento, a 52,07 reais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.