REUTERS/Aly Song - 10/07/18
REUTERS/Aly Song - 10/07/18

EUA impõem novas tarifas sobre US$ 16 bilhões em produtos chineses

China respondeu com a adoção de tarifa semelhante contra produtos americanos; representantes discutem nesta semana possível solução para disputa

O Estado de S.Paulo

23 Agosto 2018 | 02h10

WASHINGTON - O governo americano impôs nesta quinta-feira, 23, um novo pacote de tarifas de 25% sobre US$ 16 bilhões de produtos chineses, escalando a guerra comercial contra Pequim em meio às negociações entre representantes dos dois países em Washington. A China reagiu com a adoção de medida semelhante contra importados americanos.

A medida entrou em vigor à meia-noite de Washington (meio-dia em Pequim). A China respondeu em seguida e impôs tarifas sobre US$ 16 bilhões de produtos americanos, seguindo o histórico de reagir às ações americanas com medidas semelhantes. O governo chinês afirmou que adotaria "represálias necessárias" contra o que considera uma violação dos Estados Unidos às normas do comércio internacional.

A escalada na guerra comercial ocorre na mesma semana em que autoridades do médio escalão dos governos chinês e americano retomam as conversas para encontrar uma solução para a disputa. As negociações foram iniciadas em abril, mas terminaram sem acordo. Em junho, os dois países voltaram à mesa, mas novamente não chegaram a um consenso.

Em julho, os Estados Unidos anunciaram a imposição de tarifas sobre US$ 200 bilhões de produtos chineses e um aumento de 25% nas taxas sobre automóveis importados. O Escritório de Representação do Comércio Exterior americano (USTR, na sigla em inglês), responsável pela aprovação e imposição das medidas, ainda está avaliando a proposta.

Negociadores esperam que tanto a China quanto os Estados Unidos deem fim à guerra comercial até novembro. Nesta semana, o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) publicou documentos alertando sobre riscos "transcendentais" para a economia americana se a disputa continuar por muito tempo. //AFP, ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.