EUA investigam criminalmente Toyota; presidente da montadora vai ao Congresso

Companhia é acusada de enganar público sobre problemas de segurança 

Marcílio Souza, da Agência Estado,

23 de fevereiro de 2010 | 11h26

A pressão sobre a Toyota intensificou-se na última segunda-feira, quando a montadora japonesa informou que está sendo criminalmente investigada por um júri federal e pela SEC (Comissão de Valores mobiliários - CVM - norte-americana) por problemas relacionados à aceleração súbita em seus carros. Além disso, líderes de um painel do Congresso acusam a companhia de enganar o público sobre problemas de segurança.

 

O Comitê de Comércio e Energia da Câmara de Representantes dos EUA, numa carta de 11 páginas, aborda questões que seus membros deverão levantar durante uma audiência nesta terça-feira. A carta critica a Toyota por resistir à possibilidade de que defeitos elétricos seriam responsáveis por relatos de aceleração involuntária. O comitê também enviou uma carta separada para o secretário de Transportes dos EUA, Ray LaHood, levantando preocupações de que as autoridades federais responsáveis pela segurança "carecem do expertise necessário para avaliar os defeitos nos controles eletrônicos dos veículos".

 

As cartas foram assinadas pelo presidente do Comitê de Comércio e Energia, Henry Waxman (democrata da Califórnia), e pelo deputado Bart Stupak (democrata de Michigan), presidente do subcomitê de supervisão do painel.

 

A audiência no Comitê de Comércio e Energia e uma sessão separada na quarta-feira a ser promovida pelo Comitê de Reforma do Governo e de Supervisão da Câmara, na qual o presidente da Toyota, Akio Toyoda, deverá testemunhar, serão cheia de tensão política.

 

A Toyota, por sua vez, está preparando respostas para as investigações. "Nós recebemos e estamos avaliando a carta (do Congresso). Nós iremos, claro, cooperar com o inquérito do comitê", disse uma porta-voz do grupo. Hoje, o diretor de vendas da empresa nos EUA, Jim Lentz, afirmou que planeja dizer aos membros do painel de investigação da Câmara que a companhia "confia que não há nenhum problema com o sistema de controle eletrônico em nossos veículos".

 

Toyoda chegou a Washington neste final de semana para preparar seu testemunho na quarta. Uma equipe de consultores internos e externos está trabalhando para que ele se saia bem na audiência.

 

A divulgação, pela Toyota, de que está sendo investigada por um grande júri levanta a ameaça de uma punição criminal. Um fonte próxima do assunto disse que unidade de fraude da procuradoria de Manhattan está lidando com a investigação, mas recusou-se a dizer qualquer coisa além disso. A unidade examina casos envolvendo violações por parte de companhias de capital aberto, incluindo informações impróprias ou comunicados equivocados feitos para os investidores, entre outras coisas.

 

A Toyota disse que a investigação foi lançada no dia 8 por um grande júri federal em Nova York. A companhia disse no dia 19 que recebeu uma solicitação voluntária e uma notificação de investigação do escritório da SEC em Los Angeles pedindo documentos relacionados à aceleração súbita e às práticas de divulgação de informações da companhia. As informações são da Dow Jones

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.