EUA investigam incêndio em baterias do Volt

GM anunciou ontem que vai emprestar carros a donos do veículo híbrido que temerem pela sua segurança

DETROIT, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2011 | 03h04

A General Motors anunciou ontem que poderá emprestar, gratuitamente, automóveis aos donos de veículos híbridos (movidos a eletricidade e gasolina) Chevrolet Volt, se esses consumidores estiverem preocupados com a possibilidade de eles virem a se incendiar repentinamente.

A empresa adotou a medida após o anúncio, feito na sexta-feira pela Administração Nacional de Segurança nas Estradas dos Estados Unidos (NHTSA, na sigla em inglês), de que o governo americano investiga incêndios relacionados às baterias de íons de lítio usadas pelo Volt.

A NHTSA disse que, durante um teste de impacto (crash test) feito com o carro, o conjunto de baterias pegou fogo. Uma outra bateria de um carro submetido ao teste de impacto soltou faíscas e fumaça. Esses problemas mais recentes se somam ao registrado em junho, em testes realizados no Estado de Wisconsin.

A GM disse ontem que os automóveis elétricos são seguros, mas que vai se comunicar com os donos de mais de 5 mil Volts vendidos na América do Norte desde dezembro do ano passado, a fim de tranquilizá-los.

A empresa disse que resolveu emprestar os veículos para garantir que os donos de modelos Volt fiquem satisfeitos com a compra que fizeram e que tenham confiança nos carros. A empresa não fixou um limite de tempo que os clientes poderão ficar com os carros emprestados.

O Volt pode percorrer 56 quilômetros com suas baterias antes que se ative um gerador, que queima gasolina para levar a eletricidade ao motor. Este carro melhorou a imagem pública da Chevrolet e a GM deseja preservar essa boa vontade dos consumidores.

A companhia fez uma grande publicidade do automóvel como um primeiro passo dos Estados Unidos rumo à independência do petróleo importado. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.