Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

EUA investigam três dúzias de casos sobre hipotecas

O presidente do órgão regulador do mercado de capitais norte-americano (a Securities and Exchange Comission, SEC), Christopher Cox, declarou para o Senado que os órgãos reguladores estão investigando cerca de três dúzias de casos sobre possíveis delitos nos empréstimos de alto risco (subprime). Cox informou que a SEC está olhando para a maneira como as hipotecas subprime foram feitas, empacotadas e transformadas em títulos e vendidas ao público. Segundo Cox, a SEC também quer saber se a divulgação de informações foi adequada e se houve qualquer operação ilegal baseada em informações privilegiadas.O presidente da SEC afirmou que espera que as constatações preliminares saiam em poucos meses em um exame separado sobre as agências de classificação de risco de crédito, como a Standard & Poors e a Moody''s Investors Service. Ele acredita que o relatório final deve ser divulgado neste verão (no hemisfério Norte). Este estudo é focado na possibilidade de as agências terem se desviado de seus métodos tradicionais na avaliação dos ativos lastreados em hipotecas. O estudo também está de olho no caso de as agências não terem seguido os procedimentos para evitar conflito de interesses ao avaliar tais ativos.Cox reiterou o plano que ele esboçou na semana passada, segundo o qual a SEC poderá propor novas regras nesta primavera que requerem que as agências forneçam mais detalhes sobre as notas de risco de crédito (ratings) antigas. A mudança pode facilitar a comparação evolutiva dos ratings. Uma proposta relacionada pode pedir às agências que diferenciem claramente os ratings de corporações, dívidas municipais e produtos estruturados. O presidente da SEC também reiterou seu pedido de uma melhora na divulgação de informações sobre o mercado de bônus municipais. As informações são da Dow Jones.

CAROLINA RUHMAN, Agencia Estado

14 de fevereiro de 2008 | 13h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.