Doug Mills/The New York Times
Doug Mills/The New York Times

EUA participará de novo TPP se proposta for “substancialmente melhor”, diz Trump

Pelo Twitter, presidente americano diz que o país pode se juntar ao acordo comercial desde que os termos sejam mais vantajosos que os oferecidos às gestões anteriores

O Estado de S.Paulo

13 Abril 2018 | 03h28

WASHINGTON – O presidente americano Donald Trump afirmou nesta sexta-feira, 13, que só assinará o Tratado Integral e Progressivo de Associação Transpacífica (CPTPP), antiga Parceria Transpacífico (TPP) caso os termos sejam “substancialmente melhores” que os oferecidos às gestões anteriores.

“Somente participaria do TPP se o acordo fosse substancialmente melhor que o acordo oferecido ao presidente Obama”, escreveu Trump no Twitter. “Nós já temos acordos BILATERAIS com seis das onze nações do TPP, e estamos trabalhando para chegar a um acordo com a maior de todas essas nações, o Japão, que tem nos prejudicado no comércio por anos!”

+ 'Governo Trump é fã de acordos bilaterais', diz secretário

+ Políticas econômicas de Trump favorecem livre comércio na América Latina

Mais cedo, indicativos apontavam que Trump poderia estar repensando a decisão de deixar a TPP. Senadores republicanos foram consultados pelo presidente, que perguntou a assessores econômicos se ainda era possível renegociar o acordo. 

 


A mensagem de Trump foi recebida com ceticismo pelas lideranças asiáticas. “Se for verdade, eu aceitaria”, disse o Ministro das Finanças do Japão, Taro Aso, que afirmou em seguida que as informações sobre as negociações precisam ser verificadas. “[Trump] é uma pessoa que pode mudar de opinião, então ele pode dizer algo diferente sobre isso amanhã.”

O Tratado Integral e Progressivo de Associação Transpacífica (CPTPP) é um acordo comercial atualmente formado por onze países com objetivo de reduzir barreiras comerciais entre países da Ásia e do Pacífico. Trump decidiu sair do acordo em 2017, afirmando que as propostas prejudicariam a oferta de empregos americanos. //REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.