EUA pedem que OMC julgue medida da Europa ao aço

Apesar de os Estados Unidos serem criticados por toda a comunidade internacional pelas barreiras colocadas à importação de aço, é a própria Casa Branca que decide ir ao ataque na Organização Mundial do Comércio (OMC). Hoje, os diplomatas de Washington pediram à intervenção da entidade para julgar as barreiras ao aço colocadas pela União Européia (UE). Segundo Bruxelas, a decisão de taxar em até 26% os produtos siderúrgicos de vários países, inclusive os do Brasil, foi uma reação ao protecionismo anunciado pelos Estados Unidos em março. Na avaliação dos europeus, ao taxar o aço mundial, os norte-americanos deixaram de comprar produtos de muitos países, que agora estariam saturando o mercado internacional. "Queremos evitar que esse excedente inunde a Europa e prejudique nossas empresas", afirmou um diplomata europeu. Mas para os Estados Unidos, a sobretaxa imposta pela UE não se justifica. Segundo a Casa Branca, para que uma salvaguarda seja adotada, deve ficar comprovado que ocorreu um aumento súbito das importações. Além disso, esse aumento teria que ter ocorrido recentemente. "Não temos comprovações de que esses elementos tenham sido observados pelos europeus", afirma um representante da diplomacia norte-americana, que agora pede que a OMC instaure um comitê de arbitragem para julgar a medida da UE.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.