EUA podem alcançar limite para dívida

A administração do presidente Barack Obama alertou o Congresso americano de que pode faltar dinheiro para os Estados Unidos pagarem suas contas depois de meados de outubro, se os congressistas não agirem para elevar o limite do endividamento público.

O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2013 | 02h09

"O Congresso deveria atuar rápido para proteger o bom crédito da América", disse o secretário do Tesouro dos EUA, Jack Lew, em carta a líderes congressistas, instando-os a agirem "bem antes de qualquer risco de calote tornar-se iminente".

O governo dos EUA tem encostado no limite da dívida de US$ 16,7 trilhões desde maio, mas tem evitado declarar inadimplência sobre quaisquer obrigações por meio de medidas emergenciais para gerir seus recursos, como suspender investimentos em fundos de pensão para funcionários.

Lew disse que o governo vai exaurir sua capacidade de financiamento em meados de outubro, restando apenas US$ 50 bilhões em dinheiro à mão, montante que, segundo ele, poderia ser esgotado em um único dia. Isso tornaria a inadimplência iminente e poderia abalar a confiança de investidores nos EUA.

Os republicanos estão considerando usar a necessidade de elevar o teto da dívida para promover sua agenda no Congresso. O partido de oposição está tentando enfraquecer a reforma de saúde pública, projeto-chave do governo de Barack Obama. Conservadores também querem reformular as leis tributárias a aprovação, por Obama, de uma proposta de oleoduto. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.