EUA procura Justiça para obter informações sobre clientes do UBS

O Departamento de Justiçanorte-americano afirmou nesta segunda-feira que pediu a umacorte federal em Miami que autorize a receita federal do país arequisitar informações do banco suíço UBS sobre contribuintesque podem estar usando contas no banco suíço para fraudar oimposto de renda. O departamento afirmou que quer uma permissão para permitirà receita norte-americana, o Internal Revenue Service (IRS),usar a intimação conhecida como "John Doe" com o banco. Aintimação é usada para obter informações sobre possíveisfraudes de pessoas não identificadas. Em 19 de junho, o ex-banqueiro do UBS Bradley Birkenfeld sedisse culpado na corte federal da Flórida por conspirar parafraudar o IRS ao ajudar clientes do banco suíço a evitarem darinformações sobre sua renda nas contas da instituiçãofinanceira. Segundo o comunicado da corte de Birkenfeld, empregados doUBS ajudaram ricos clientes norte-americanos a ocultar ativosmantidos fora do país por meio da criação de entidades falsas eposteriormente preenchendo formulários do IRS alegandomentirosamente que as entidades eram as donas das contas. Se aprovada pela corte, a intimação exigirá que o UBSproduza históricos para identificar os contribuintesnorte-americanos com contas na Suíça que tentaram ocultar suascontas da receita, afirmaram autoridades do departamento. O UBS afirmou estar alerta de que as autoridadesnorte-americanas buscavam uma ordem judicial para obter oshistóricos. "O UBS considera essa questão muito seriamente e estátrabalhando vigorosamente tanto com as autoridades suíças comocom as do governo norte-americano, condizente com a lei suíça ecom as determinações legais para cooperação intergovernamentale assistência", disse a porta-voz do UBS, Rohini Pragasam, emum comunicado. Birkenfeld afirmou em corte que o UBS possuiaproximadamente 20 bilhões de dólares em ativos em contas "nãodeclaradas" para contribuintes norte-americanos. A lei exige que um contribuinte norte-americano reportetodas as suas contas financeiras em países estrangeiros se ototal dessas contas exceder 10 mil dólares em qualquer momentodo ano. "Nós estamos trabalhando cooperativamente com o governo e oUBS para obter informações. No entanto, nós estamos preparadospara procurar reforço se o processo não for bem sucedido",disse o deputado assistente representante geral John DiCicco dadivisão de imposto do departamento em comunicado. O Comissário do IRS Doug Shulman afirmou, "a informação quereunimos nesta ação irá ajudar a detectar indivíduos ricos quenão pagam impostos assim como proverá detalhes de comoconselheiros facilitaram este abuso". (Reportagem de James Vicini)

REUTERS

30 de junho de 2008 | 21h06

Tudo o que sabemos sobre:
BANCOSSONEGACAOUBS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.