EUA: produtores atingidos pela seca terão US$ 30 mi

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu ao Congresso nesta terça-feira que aprove uma nova lei agrícola (Farm Bill) assim que voltar do recesso de verão. Obama acrescentou que sua administração está oferecendo mais US$ 30 milhões em ajuda a produtores prejudicados pela seca que atinge a maior parte do país, a mais grave em décadas.

AE, Agencia Estado

07 de agosto de 2012 | 19h41

Falando na Casa Branca ao secretário de agricultura, Tom Vilsack, e à administradora de pequenos negócios, Karen Mills, Obama afirmou que o Congresso precisa aprovar uma lei agrícola imediatamente após o retorno do recesso. A lei permitiria mais auxílio do governo contra desastres, entre outras coisas. Obama entende que essa "é a melhor forma de ajudar as pessoas que sofrem com a seca".

O presidente norte-americano espera que os legisladores visitem seus distritos para verificar o impacto da seca e voltem a Washington com uma melhor noção de urgência para aprovar a Farm Bill. O Congresso deve retomar as atividades normais depois do Dia do Trabalho dos Estados Unidos (3 de setembro). Tanto a Câmara quanto o Senado aprovaram projetos de lei agrícola próprios, mas que diferem no tamanho dos subsídios aos produtores rurais, de modo que precisam chegar a uma versão final e apresentá-la para sanção do presidente.

Obama disse, ainda, que o governo está fazendo o máximo possível para ajudar as pessoas que sofrem com a seca. "Estamos vendo uma seca devastadora ao longo do país e isso está tendo um impacto profundo nos produtores e criadores em muitos Estados", declarou. Ele acrescentou que, além de oferecer dinheiro aos produtores para ajudá-los a obter água, o governo liberou mais terras para pastagem e pediu aos sindicatos nacionais de crédito que aumentem os empréstimos para pequenos negócios em áreas afetadas pela estiagem.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.