EUA prometem não interferir na dívida argentina

O subsecretário do Tesouro para Assuntos Internacionais dos EUA, John Taylor, disse que a reestruturação da dívida da Argentina é um processo que deve ocorrer sem a interferência dos EUA. "Não é sensato" para os EUA ou agências multilaterais, como o FMI, adotar uma posição, disse. As declarações ocorrem no momento em que crescem as tensões entre a Argentina e os credores estrangeiros, enquanto o governo argentino apresenta a proposta que prevê um desconto 75% do valor dos títulos que não estão sendo pagos desde dezembro de 2001.Na semana passada, o governo argentino realizou uma série de encontros na Europa e Japão para apresentar o plano aos portadores de bônus, que o receberam com hostilidade. O maior grupo de credores italianos, por exemplo, rejeitou a oferta. Nesta terça-feira, o secretário de Finanças da Argentina, Guillermo Nielsen, se reunirá com norte-americanos detentores destes títulos, em Nova York.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.