EUA propõem redução do teto de subsídios agrícolas para US$15 bi

Os Estados Unidos estão prontos paradiminuir o teto de subsídios agrícolas para 15 bilhões dedólares por ano com o objetivo de ajudar a desbloquear asnegociações globais de comércio, disse nesta terça-feira arepresentante de Comércio do país, Susan Schwab. A oferta, longamente aguardada, está condicionada àdisposição de outros países da Organização Mundial de Comércio(OMC) de fazerem concessões para abrir seus mercados a produtosagrícolas e industriais, disse Schwab. O atual teto para os subsídios nos EUA é de mais de 48bilhões de dólares, apesar do pagamento total feito pelogoverno no ano passado ter somado cerca de 7 bilhões dedólares, por conta do aumento nos preços dos alimentos, queproporcionaram maior independência financeira aos produtores. "Esta é uma medida importante, tomada de boa fé com base naexpectativa de que os outros serão recíprocos e anunciarãoofertas melhores para o acesso aos mercados", disse Schwab arepórteres. "Esses cortes trarão reduções efetivas e significativas noapoio ao mercado doméstico que distorce o comércio." Os EUA vinham sendo pressionados a anunciar um teto paraseus subsídios agrícolas, tema que tem atrasado as negociaçõesda Rodada de Doha por um acordo global de comércio. Schwab fez o anúncio a repórteres no segundo dia da semanade negociações na OMC, em Genebra, para tentar avançar empontos-chave da Rodada de Doha. Segundo elea, os subsídios oferecidos pelos EUA foramsuperiores a 15 bilhões de dólares em sete dos últimos 10 anos,período durante o qual a média de incentivos totalizou 17bilhões de dólares, acrescentou. PROPOSTA INDECENTE Mesmo com os números apresentados por Schwab,representantes de países como a Índia e o Brasil consideraram aoferta norte-americana insuficiente. "Minha resposta imediata é que (a proposta) não passa no'teste da risada"', afirmou uma autoridade indiana, que nãoquis ser identificada. Essa autoridade argumentou que o patamar máximo oferecidopelos EUA para os subsídios era o dobro da remuneração atualpaga aos agricultores do país, enquanto a contrapartida exigidapelos norte-americanos era de cortes reais nas tarifasagrícolas e industriais das nações em desenvolvimento,acrescentou. De acordo com um diplomata brasileiro, o teto para ossubsídios nos EUA é muito elevado e deve ser reduzido paradesbloquear as negociações. "Este é apenas o segundo dia de conversas aqui, entãoimaginamos que há espaço para uma nova diminuição", disse odiplomata. Os mediadores da Organização Mundial do Comércio sugerirama manutenção dos subsídios norte-americanos numa faixa de entre16,4 bilhões e 13 bilhões de dólares. A secretária de Comércio da França, Anne-Marie Idrac, disseque o país precisava de mais tempo para avaliar a propostaapresentada por Schwab. (Por William Schomberg, Laura MacInnis e Jonathan Lynn)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.