EUA querem câmbio chinês na pauta do G-20

Passado o pior da crise, o G-20 (grupo das 20 maiores economias do mundo) deverá discutir como assunto prioritário a reforma do câmbio chinês, se isso depender do governo americano. O yuan subvalorizado, uma das grandes vantagens competitivas da indústria chinesa, continua na mira das autoridades dos Estados Unidos e da maioria dos países envolvidos no comércio internacional.

AE, Agencia Estado

28 de janeiro de 2011 | 10h50

Em linguagem mais complicada, o G-20 deverá trabalhar pela "simetria de obrigações entre países deficitários e superavitários". A expressão é do secretário do Tesouro americano, Timothy Geithner. Se a ação for realmente simétrica, o país deficitário deverá melhorar suas contas públicas, frear a expansão do consumo e esforçar-se mais para exportar. Já o superavitário deverá estimular o consumo interno, investir em infraestrutura e depender menos da exportação para crescer.

Os chineses concordam com tudo e até vêm seguindo parte da cartilha, mas quase nada fazem para liberar o câmbio e deixar o yuan se valorizar. Geithner trouxe o tema do câmbio ao Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça, onde se reúnem ministros das Finanças e do Comércio de várias das maiores economias. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórum EconômicoDavosEUAChinacâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.