EUA refazem contas e crescem menos

PIB anualizado cresceu 3% no 1º trimestre ao invés de 3,2% informado antes; cai procura por seguro-desemprego

Reuters, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2010 | 00h00

WASHINGTON

O crescimento da economia americana no primeiro trimestre foi menor que o estimado inicialmente, com uma desaceleração nos investimentos privados, enquanto os governos federal e estadual reduziram os gastos no maior ritmo desde 1981.

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu 3% em termos anuais, informou o Departamento de Comércio nesta quinta-feira, ao invés da taxa de 3,2% informada anteriormente. Analistas ouvidos pela Reuters previam que o PIB cresceria 3,4% entre janeiro e março.

No quarto trimestre do ano passado, a economia norte-americana se expandiu 5,6%, e agora já cresce por três trimestres consecutivos.

Economistas estão acompanhando de perto a recuperação econômica dos EUA para ver se o país pode resistir aos problemas de dívida que ameaçam retardar o crescimento da Europa. O crescimento acima da tendência no primeiro trimestre sugere uma sólida base de sustentação.

"Os números estão um pouco abaixo das expectativas, mas mostram que a economia norte-americana está em recuperação", disse Subodh Kumar, estrategista-chefe de investimentos da Subodh Kumar & Associates, em Toronto.

Desemprego. Outros dados mostraram que o número de pedidos de auxílio-desemprego caiu para 460 mil na semana passada, de 474 mil na semana anterior, segundo o Departamento de Trabalho, indicando uma melhora gradual no mercado de trabalho.

A produção econômica dos EUA nos primeiros três meses do ano foi revisada para baixo à medida que o investimento privado aumentou apenas 3,1% ao invés da taxa de 4,1% divulgada no mês passado. O gasto cresceu 5,3% no quarto trimestre.

O gasto dos governos federal e locais encolheu 3,9 %, maior declínio desde o segundo trimestre de 1981. Mas o gasto do consumidor, fundamental para a recuperação da economia, manteve-se firme. O gasto do consumidor subiu 3,5% comparado à taxa de 3,6% informada anteriormente. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.