EUA reforçam 'pior já passou'e Bovespa retoma 56 mil pontos

A desaceleração no ritmo de demissões nos Estados Unidos avivou a leitura de que a crise está ficando para trás, fazendo o investidor voltar às compras na bolsa paulista, que se reaproximou da máxima do ano.

ALUÍSIO ALVES, REUTERS

07 de agosto de 2009 | 18h02

Apoiado nos ganhos das ações ligadas a metais e de bancos, o Ibovespa subiu 1,03 por cento, aos 56.329 pontos. Com avanço de 2,86 por cento na semana, a alta acumulada do índice chega a 50 por cento no ano. O giro financeiro da sessão totalizou 4,96 bilhões de reais.

O aviso do Departamento do Trabalho dos EUA de que o país eliminou 247 mil empregos em julho, menos do que a previsão média de 320 mil dos analistas, apagou a cautela que na véspera tinha provocado perdas nos mercados.

Em Wall Street, o índice Dow Jones subiu 1,2 por cento.

"Os números (do mercado de trabalho) ainda estão muito fracos, mas reforçam a leitura de que a economia está se recuperando", disse Gabriel Goulart Ferreira, analista da Mercatto Investimentos.

O bom humor foi calibrado com números corporativos, como o da AIG, seguradora que escapou da falência com ajuda do governo, que reportou o primeiro lucro em sete trimestres.

O setor financeiro doméstico foi, também aqui, um dos destaques positivos, tendo à frente Itaú Unibanco, com avanço de 2,9 por cento, a 35,71 reais.

Notícias corporativas de empresas brasileiras também ajudaram o Ibovespa. Gol encabeçou os ganhos, com um salto de 10,1 por cento, a 15,80 reais, depois de companhia aérea ter informado que a taxa de ocupação de suas aeronaves atingiu o maior nível desde a aquisição da Varig, em março de 2007.

B2W, empresa resultante da fusão entre Americanas.com e Submarino.com, subiu 1,4 por cento, a 47,11 reais, depois de reportar lucro de 13,7 milhões de reais no segundo trimestre. Mesmo caindo em relação ao mesmo período do ano passado, o balanço agradou analistas do setor.

Dentre as blue chips, a preferencial da Vale ganhou 1 por cento, a 33,03 reais, enquanto a preferencial da Petrobras ganhou 0,3 por cento, a 32,00 reais.

Tudo o que sabemos sobre:
BOVESPAFECHAFINAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.