Jialun Deng para The New York Times
Jialun Deng para The New York Times

EUA retiram penalidades contra a chinesa ZTE

Gigante de telecomunicações da China pagou multa de US$ 1 bilhão por violar sanções americanas

Dow Jones Newswires

13 Julho 2018 | 14h35

WASHINGTON - A gigante de telecomunicações chinesa ZTE pode retomar seus negócios com fornecedores americanos depois de cumprir as condições de um acordo firmado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para salvar a empresa.

Nesta sexta-feira, 13, a ZTE não apareceu mais na lista atualizada de "empresas recusadas" do Departamento do Comércio americano, o que significa que os fornecedores dos EUA podem, novamente, vender para a empresa chinesa. Com o anúncio do levantamento da proibição, os mercados reagiram com otimismo, entendo que isso significa que a guerra comercial entre os dois Países diminui de intensidade.

O departamento disse que removeria a proibição para que as companhias americanas vendessem para a ZTE depois que a empresa chinesa depositou US$ 400 milhões em uma conta e pagou uma multa de US$ 1 bilhão como parte de uma multa por violar sanções americanas.

A saga sobre o destino da empresa chinesa começou em abril, quando o Departamento do Comércio proibiu as empresas americanas de venderem produtos à ZTE como punição pelo fracasso em honrar um acordo anterior para deixar de realizar transações com a Coreia do Norte e o Irã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.