Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

EUA revisam para baixo crescimento do PIB no final de 2010

Segundo Departamento de Comércio, alta no quarto trimestre foi de 2,8%, em vez dos 3,2% estimados anteriormente.

Alessandra Corrêa, BBC

25 de fevereiro de 2011 | 13h34

Segundo governo, alta do PIB no quarto trimestre de 2010 foi de 2,8%

O Departamento de Comércio dos Estados Unidos revisou para baixo sua estimativa inicial de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) no quarto trimestre de 2010, passando para uma taxa anualizada de 2,8%.

A primeira estimativa, divulgada em 28 de janeiro, era de uma taxa anualizada de 3,2%.

A taxa anualizada é a medida usada para medir a evolução do PIB nos Estados Unidos e projeta qual seria a expansão em quatro trimestres consecutivos caso o mesmo ritmo de crescimento seja mantido.

A revisão para baixo não era esperada por analistas, que previam uma elevação da estimativa para 3,3%.

Com os novos dados sobre o quarto trimestre, o crescimento da economia americana no ano de 2010 também foi revisado para baixo, passando de 2,9% para 2,8%.

Gastos do governo

A mudança nos números é atribuída principalmente a uma redução maior do que a prevista anteriormente nos gastos do governo, tanto em nível estadual quanto local. A estimativa de queda passou de 0,9% para 2,4%.

O consumo das famílias (principal componente do PIB americano) também cresceu em um ritmo menor do que o estimado inicialmente, passando de 4,4% para 4,1%.

Apesar da revisão, analistas preveem uma aceleração na economia americana no primeiro trimestre de 2011.

No entanto, até agora o ritmo de crescimento pós-crise tem sido considerado insuficiente para reduzir a taxa de desemprego, que atualmente é de 9% e representa um dos principais problemas enfrentados pelo governo de Barack Obama.

O próprio presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Ben Bernanke, já disse que deve levar "vários anos" até que a taxa de desemprego nos Estados Unidos volte a um nível tido como "normal" no país, em torno de 5%.

Os resultados também são divulgados em um momento em que o governo busca conter o deficit no orçamento por meio de cortes de gastos.

No início do mês, Obama anunciou um plano para cortar o déficit americano em US$ 1,1 trilhão (cerca de R$ 1,8 trilhão) nos próximos dez anos. A proposta precisa ser aprovada pelo Congresso. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
estados unidospibcrescimentocomércio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.