bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

EUA se negam a compensar Europa por sobretaxa de aço

Os Estados Unidos endureceram suaposição na guerra do aço e se negaram a pagar compensações,apesar das ameaças de retaliação da União Européia (UE). Ontem ànoite, em Bruxelas, o subsecretário de Comércio norte-americano,Grant Aldonas, anunciou que os EUA não vão compensar, antes dodia 18 de junho, as perdas provocadas pelo aumento de 8% para30% na tarifa de importação de aço que atinge diretamente assiderúrgicas européias. O funcionário advertiu ainda que se oseuropeus adotarem represália, os EUA abrirão processo contra aUE na Organização Mundial do Comércio (OMC), já que não"haveria justificativas" para isso. Na semana passada, em Genebra, os EUA já haviamrejeitado a criação de um comitê de arbitragem paraexaminar as tarifas de até 30% impostas pelo governonorte-americano à importação de aço. Na reunião do Órgão deSolução de Controvérsias da OMC, os EUA recusaram a proposta daUE e a decisão foi adiada para 3 de junho. De acordo com asregras da OMC, um país-membro tem direito de rejeitar, uma únicavez, a criação de um grupo de especialistas ou panel solicitadopor outro país. Ontem em Bruxelas, depois de passar por Paris e Londres,Aldonas disse ainda que, nas próximas semanas, o governonorte-americano adotará novas medidas para determinados produtosde aço europeu, básicos para a economia do EUA e que poderiamentrar isentos de impostos. A Comissão Européia rejeitava atéagora essa possibilidade, mas, agora, o quadro parece estarmudando depois de iniciadas as negociações de um pacote quemistura compensações e exclusões. Mas Washington já deixou claro que não concederácompensações econômicas antes de 18 de junho, quando devemcomeçar a ser aplicadas as sanções européias a uma ampla gama deprodutos importados dos EUA. Os europeus querem compensações de2,7 bilhões de euros, o equivalente a perdas de exportaçõesatingidas com o aumento de tarifas determinadas pela CasaBranca. A UE já alertou que se não receber as compensaçõesaplicará medidas de represália. Para os europeus, os EUA violaram as regras da OMC,enquanto Washington argumenta que as normas da organizaçãopermitem aplicar medidas de salvaguarda. Se não houver mudançana posição européia ou norte-americana até a próximasegunda-feira, o Órgão de Solução de Controvérsias deverá dar asua interpretação sobre a disputa. Levando em conta apossibilidade de apelação de uma das partes, a decisão da OMCnão deverá sair antes do próximo ano. Além da União Européia, Japão e China também decidiramretaliar as medidas norte-americanas, anunciadas no dia 20 demarço pela Casa Branca. Os chineses decidiram aumentar de 7%para 26% as tarifas de importação para alguns produtosnorte-americanos porque estariam perdendo pelo menos US$ 1,2bilhão com as medidas protecionistas norte-americanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.