Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

EUA têm 1ª queda no emprego em 4 anos

A economia americana perdeu 4 mil empregos em agosto. É a primeira vez em 4 anos que o nível de emprego nos Estados Unidos cai, indicando que a crise imobiliária está se espalhando e pode levar a uma grande desaceleração da atividade.O número, divulgado no Relatório de Emprego do Departamento de Trabalho, surpreendeu os analistas, que previam a criação de 125 mil vagas. Essa fragilidade do mercado de trabalho é outro fator de pressão para o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) cortar os juros na reunião do dia 18. O relatório também revisa a abertura de vagas em junho e julho, que caiu para 81 mil, e aponta que o índice de desemprego continua estável em 4,6% porque houve menos procura por trabalho. Os dados influenciaram o mercado financeiro. O Índice Dow Jones da Bolsa de Nova York fechou o dia em queda de 1,87% e a Nasdaq, em baixa de 1,86%. O dólar caiu ante as principais moedas, numa reação ao provável corte dos juros e à desaceleração econômica. Como o corte de vagas foi muito fora da curva, economistas acham que é um claro sinal de recessão. "Se a economia não estiver se encaminhando para a recessão, está perto disso", afirmou Mark Zandi, economista-chefe da Moody?s Economy.com.A maioria dos analistas acredita que o Fed vai cortar o juro em 0,25 ponto porcentual. Mas, diante dos dados do emprego, alguns falam em 0,5 ponto. "O Fed vai ter de cortar os juros - a discussão agora é se será de 0,25 ou 0,5 ponto", diz Steven Wood, da Insight Economics. Os setores mais afetados pelo corte de vagas foram construção (22 mil) e indústria (46 mil). O número de vagas na construção deve continuar caindo, já que a crise paralisa o lançamento de imóveis. O resultado do setor industrial surpreendeu analistas. Eles esperavam que produtos ligados à construção fossem mais afetados, mas, aparentemente, outros setores foram atingidos.Além disso, estão aumentando as demissões nas empresas de hipoteca - várias fecharam as portas e demitiram todos os funcionários. Segundo o relatório, houve corte de 4 mil vagas no setor de intermediação de crédito.A Casa Branca tentou tranqüilizar os mercados, informando que, em 12 meses, houve criação de 1,6 milhão de empregos e o desemprego continua baixo. "Não é o número que eu gostaria de ver", disse o secretário do Tesouro, Henry Paulson, à TV Bloomberg. "Mas os dados não se mexem sempre em linha reta, às vezes há surpresas. A economia vai continuar a crescer."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.