EUA terão de mudar notas de dólar para beneficiar cegos

Notas serão alteradas em tamanho ou textura para serem distingüidas.

Da BBC Brasil, BBC

21 de maio de 2008 | 09h35

A Justiça americana determinou que o governo terá de mudar o tamanho ou a textura das notas de dólar para que elas possam ser diferenciadas por deficientes visuais. Um tribunal federal de apelação manteve uma decisão tomada anteriormente por uma corte distrital que disse ser "inaceitável" que todas as notas tenham o mesmo tamanho e a mesma textura. Por dois votos a um, os juízes rejeitaram a apelação do Departamento do Tesouro, que havia argumentado que modificar as notas custaria muito caro."A grande maioria dos outros sistemas monetários se adaptou às necessidades dos deficientes visuais e o governo não conseguiu explicar por que a moeda americana seria diferente", disse a juíza Judith Rogers.'Tremenda vitória'O processo foi movido pelo Conselho Americano dos Cegos, que propôs várias soluções para acabar com a dificuldade dos deficientes em distinguir as notas."Esta é uma tremenda vitória para o conselho e para todos os deficientes visuais dos Estados Unidos. Esperamos que o Departamento do Tesouro agora se sente conosco para definirmos uma forma de tornar nossa moeda acessível a todos", disse o presidente do Conselho Americano dos Cegos, Mitch Pomerantz.De acordo com os documentos arquivados no processo, 937 mil pessoas nos Estados Unidos são reconhecidas legalmente como cegas e outras 2,4 milhões apresentam problemas de visão.O Departamento de Impressão, encarregado de imprimir as notas, encomendou um relatório para estudar formas de melhor servir os deficientes.Entre as soluções propostas pelo Conselho Nacional dos Cegos estão a mudança no tamanho das notas, a leitura em braile e a impressão em alto relevo.Nos últimos anos, o governo americano vem modificando várias notas para evitar falsificações.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.