EUA usaram cálculo errado em ação contra Brasil

O embaixador do Brasil em Washington, Roberto Abdenur, disse que o Departamento de Comércio Americano usou ?cálculos errados? ao definir a adoção de tarifas anti-dumping contra as exportações de camarão brasileiras. ?Eles ignoraram informações importantes dadas pelas empresas interessadas e usaram parâmetros errados, para efeitos de comparação no caso de uma das empresas, que foi penalizada com a absurda tarifa de 67%?, disse Abdenur.Três empresas foram investigadas pelo Departamento de Comércio. Duas foram penalizadas, com tarifas de 8,4% e de 67%. ?Esse resultado traduz-se em uma tarifa média de 36,9% para todo o camarão brasileiro exportado para os Estados Unidos, mesmo aquele vendido por empresas que não foram citadas na ação-anti-dumping.Expectativa frustradaQuando o ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, veio a Washington, no fim de junho, para uma reunião no Departamento de Comércio, as expectativas em relação ao caso do camarão eram bem diferentes. ?Este é um caso que não nos diz respeito. O problema dos americanos é com os produtores asiáticos, e a questão com o Brasil deve ser resolvida em breve?, disse o ministro em uma entrevista, depois de sair de uma reunião com o subsecretário americano de comércio, Grant Aldonas.Mas no fim da semana passada, o governo americano anunciou a imposição de pesadas tarifas anti-dumping contra o Brasil, bem mais altas do que as impostas ao Equador (6,08% a 9,35%), à Índia (de 3,56% a 27,49%) e à Tailândia (de 5,56% a 10,25%). ?O Departamento de Comércio tem um sistema para calcular estas tarifas muito complexo e que se presta a exageros?, disse o embaixador para explicar o resultado inesperado.ReclamaçãoÉ com base em ?erros? nestes cálculos que Abdenur diz que o governo e as empresas envolvidas - representadas por seus advogados nos Estados Unidos - estão recorrendo da decisão do Departamento de Comércio. ?O que saiu até agora ainda é uma decisão provisória, que tem de ser confirmada até dezembro. Mas queremos que as tarifas sejam reduzidas ainda antes de dezembro porque os produtores brasileiros já estão sofrendo fortes impactos disso?, disse o embaixador.Vitórias recentesMas apesar da derrota no caso do camarão, Abdenur diz que os últimos dias foram de vitórias muito mais importantes para o Brasil. ?O êxito da rodada de Doha e as decisões quantos aos subsídios de algodão de açúcar têm um sentido mais amplo, que é o de fortalecer o sistema multilateral de comércio e isto é fundamental para o Brasil.?No fim da semana passada o Brasil teve uma vitória na OMC contra os subsídios ao algodão americano e nesta semana ganhou a ação contra os subsídios aos açúcar produzido para exportação na União Européia?, disse o embaixador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.