finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

EUA vão injetar US$ 20 bilhões no Citigroup

O governo federal dos EUA concordou em tomar uma medida sem precedentes para estabilizar o Citigroup, dando garantias de cerca de US$ 300 bilhões para os ativos do portfólio do banco que estiverem em dificuldades, de acordo com pessoas familiarizadas com os detalhes do plano.O Tesouro americano concordou em injetar adicionais US$ 20 bilhões em recursos no Citibank, segundo os termos do acordo costurado entre o banco, o Departamento do Tesouro, o banco central americano (Fed) e a Federal Deposit Insurance Corporation (Fdic), a agência federal de garantia de depósitos bancários.O Tesouro vai cobrar taxa mais elevada de juros pelo capital ? 8% nos primeiros anos ? do que impôs a dúzias de outros bancos que têm tomado empréstimos do governo dentro do pacote de auxílio de US$ 700 bilhões aprovado pelo Congresso no mês passado.Além dos recursos, o Citigroup contará com um arranjo extremamente incomum, no qual o governo aceita lastrear cerca de US$ 300 bilhões de seus ativos, incluídos letras hipotecárias, entre outros itens. O Citi deverá arcar com os primeiros US$ 37 bilhões a US$ 40 bilhões em perda com esses ativos. Se as perdas se estenderem acima deste patamar, o Tesouro vai assumir perdas de até mais US$ 5 bilhões. A partir daí , entra a Fdic, que bancará, se for o caso, perdas de até mais US$ 10 bilhões. Acima deste patamar, qualquer nova perda será honrada pelo Fed.O Citigroup também concordaria em trabalhar para modificar ? se possível ? hipotecas problemáticas, num total de US$ 300 bilhões, a partir de critérios estabelecidos pela Fdic, após a falência do IndyMac Bank.Não há expectativa de o governo norte-americano exigir qualquer mudança gerencial no Citi ? a possibilidade era vista como potencialmente desestabilizadora. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.