Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

EUA vão triplicar crédito ao Brasil

Ex-Im Bank, banco que financia as importações americanas, vai disponibilizar US$ 2,5 bilhões este ano ao País

Patrícia Campos Mello, WASHINGTON, O Estadao de S.Paulo

09 de maio de 2009 | 00h00

O Ex-Im Bank dos Estados Unidos, banco de fomento que financia importações de produtos americanos, deve triplicar seus desembolsos de crédito para o Brasil este ano, de US$ 800 milhões concedidos em 2008 para cerca de US$ 2,5 bilhões em 2009. O diretor de operações do Ex-Im, John McAdams, chega ao Brasil nesta semana para alinhavar acordos - especialmente uma linha de crédito de US$ 2 bilhões para a Petrobrás comprar insumos para explorar o pré-sal, anunciada na semana passada. O banco tem atualmente US$ 2,5 bilhões em empréstimos ou garantias com empresas brasileiras, e outros US$ 5 bilhões em processo. Desses US$ 5 bilhões, o banco espera concretizar a metade este ano. "Temos todo o financiamento de que o Brasil pode precisar", disse McAdams. "Não pusemos um teto para os empréstimos." McAdams disse que o Ex-Im está interessado em vários tipos de financiamentos, de compras grandes ou pequenas, a longo ou médio prazos.O governo americano não diz explicitamente, mas o avanço da China na região é um fator por trás dos esforços renovados dos Estados Unidos para conceder crédito na América Latina. A China vai emprestar US$ 10 bilhões para a Petrobrás, e assinou um contrato de garantia de fornecimento de petróleo brasileiro para a Sinopec. Em fevereiro, a China criou um fundo de US$ 12 bilhões na Venezuela, também em troca de fornecimento de petróleo. E o governo chinês concedeu US$ 10 bilhões em linha de crédito para a Argentina financiar suas compras de produtos chineses."A China é nosso concorrente e tem certas vantagens", afirma McAdams. Os EUA, como membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), precisam seguir certos parâmetros na concessão de créditos, como limitação no prazo dos financiamentos e taxas de juros de mercado. A China, segundo ele, não tem essas limitações, pode fazer o que quiser. De qualquer maneira, McAdams espera grande demanda no momento. O financiamento de comércio exterior tem sido duramente afetado pelo aperto de crédito decorrente da crise financeira mundial. Por isso, o Ex-Im se adaptou e passou a fazer mais empréstimos diretos, em vez de se concentrar apenas em fornecer garantias. NÚMEROSUS$ 800 milhõesfoi o valor dos desembolsos de crédito do Ex-Im Bank dos EUA para o Brasil em 2008US$ 2,5 bilhõesé o valor que o Ex-Im Bank americano pretende emprestar ao Brasil este ano, mesmo valor que o banco tem atualmente em empréstimosa empresas brasileirasUS$ 2 bilhõesé o valor do acordo de uma linha de crédito à PetrobrásUS$ 10 bilhõesé o valor de um empréstimo da China à Petrobrás, mesmo valor de uma linha de crédito aberta para a ArgentinaUS$ 12 bilhõesé o valor de um empréstimo da China à Venezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.