Euforia nos mercados do mundo inteiro

Os temores dos investidores de que a queda do Airbus da American Airlines em Nova York pudesse ser resultado de um ataque terrorista não estão se confirmando. Dados preliminares indicam que foi mesmo um acidente, e o pessimismo dos mercados de ontem foi substituído por euforia. As bolsas norte-americanas tiveram valorização expressiva, que se estendeu aos demais mercados no mundo todo.Outra notícia animadora foram as surpreendentes vitórias militares da Aliança do Norte no Afeganistão. O Taliban já abandonou as principais cidades do país, inclusive a capital, Cabul. Embora seja cedo para cantar vitória, esse sucesso traz esperanças de que a ação na Ásia Central acabe muito antes do esperado, com menos perdas do que inicialmente previsto. Além do melhor humor com o cenário internacional - exceção feita à situação argentina -, a conjuntura brasileira continua dando mostras de melhora. Hoje foram divulgados dados referentes à arrecadação de outubro, indicando crescimento substancial da receita do governo (5% em relação a outubro de 2000) e da atividade econômica. Também deve ser concluída brevemente a operação com as polonetas, que cubrirá quase todas as necessidades de financiamento externas projetadas pelo governo.O otimismo deve manter-se, porém, com certa cautela. Dadas as atuais taxas de inflação, é improvável que os juros voltem a cair no curto prazo. E uma queda muito acentuada do dólar poderia reverter os ganhos projetados para a balança comercial. Também existe o risco de um colapso econômico na Argentina, que poderia contaminar os mercados brasileiros.Organismos internacionais já indicaram que só apoiarão financeiramente a Argentina se o país cumprir a meta de déficit zero e conseguir promover uma renegociação voluntária de sua dívida. Mas ainda restam muitas dificuldades políticas e resistências entre os credores internacionais. As perspectivas ainda são negativas e espera-se o calote, mesmo que ordenado.Fechamento dos mercadosO dólar comercial para venda fechou em R$ 2,5220, com queda de 1,18%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 20,720% ao ano, frente a 20,800% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 2,79%.O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires fechou em queda de 1,66%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 2,06%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em alta de 2,82%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.