portfólio

E-Investidor: qual o melhor investimento para 2020?

Euforia sobre EUA diminui, mas índice de bolsas da Ásia tem leve alta

As bolsas de valores da Ásia terminaram sem direção comum nesta quarta-feira, depois que a alta acentuada dos mercados acionários nesta semana, puxada pelo plano dos Estados Unidos para lidar com ativos tóxicos dos bancos, perdeu força.

CHARLOTTE COO, REUTERS

25 de março de 2009 | 07h58

O índice MSCI que reúne as principais ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão, atingiu o maior patamar de fechamento em dois meses e meio. Às 7h40 (horário de Brasília), o indicador subia 0,15 por cento, para 248 pontos.

Já o índice Nikkei, da bolsa de TÓQUIO, fechou em baixa de 0,1 por cento depois que a alta nas ações do setor bancário fiz uma pausa. Mitsubishi UFJ Financial Group, maior instituição financeira do país, registrou queda pela primeira vez em oito sessões.

Exportadores como a Sony despencaram em meio a expectativas de lucros mais fracos.

"Tem sido muito bom para ser verdade, com o Nikkei saltando quase 1.500 pontos em um período tão curto, então o mercado deve fazer uma pausa", afirmou Fumiyuki Nakanishi, gerente da SMBC Friend Securities. "Há poucos investidores dispostos a perseguir preços mais altos em relação aos atuais níveis."

O Japão divulgou nesta quarta-feira queda recorde nas exportações em fevereiro, sem sinal de que a demanda está se recuperando nos mercados principais do país: Estados Unidos e Europa. O país também enfrenta um severo recuo nas importações.

O iene avançou revertendo as mínimas em meses alcançadas nesta semana. O dólar se desvalorizou em relação ao euro após forte avanço no pregão anterior, motivado por expectativas de taxa de juro mais baixa na zona do euro e por comentários do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de que a firmeza da moeda norte-americana era um sinal de confiança na economia.

Obama afirmou durante uma coletiva de imprensa que vê sinais de progresso no seu esforço para tirar os Estados Unidos da crise econômica e que não há necessidade de uma moeda global --sugestão feita pela China e a Rússia.

Novas considerações sobre o plano do Tesouro dos EUA de persuadir investidores privados a ajudar a livrar os bancos de até um 1 trilhão de dólares em ativos podres conduziu Wall Street para baixo na terça-feira, revertendo parte dos ganhos observados na segunda-feira.

Investidores permaneceram cautelosos com relação à alta dos mercados acionários nas últimas semanas diante de um fluxo de notícias econômicas pessimistas e lucros de empresas mais fracos.

"O entusiasmo envolvendo os planos do governo dos EUA diminuiu ligeiramente em meio a algumas dúvidas sobre sua efetividade", disse Mitul Kotecha, diretor global da Calyon, em uma nota a clientes.

"Entretanto, o retrocesso dos mercados acionários é relativamente pequeno em comparação aos ganhos registrados nas últimas semanas e na maior parte a reação aos planos continua positiva."

O índice MSCI da região acumula ganho de cerca de 28 por cento ante a mínima em cinco anos atingida em novembro do ano passado.

A bolsa de SYDNEY fechou a quarta-feira em alta de 0,82 por cento, enquanto TAIWAN subiu 1,99 por cento e SEUL avançou 0,60 por cento.

Já CINGAPURA perdeu 0,86 por cento, XANGAI registrou declínio de 2 por cento e HONG KONG retrocedeu 2,07 por cento.

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.