Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

''''Euro forte é que desvaloriza yuan''''

Primeiro-ministro chinês diz que baixa da moeda não tem nada a ver com a política cambial do país

EFE, O Estadao de S.Paulo

27 de novembro de 2007 | 00h00

Pequim - O primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, disse ontem em reunião com seu colega francês, Nicolas Sarkozy, que a baixa taxa do yuan frente ao euro não se deve às políticas cambiais de Pequim, mas à forte alta da moeda européia nos mercados internacionais, segundo informou o Ministério das Relações Exteriores da China.Liu Jianchao, porta-voz da chancelaria chinesa, disse que Wen assegurou a Sarkozy que a China segue seu processo de flexibilizar sua moeda e não procura grandes superávits comerciais com seus parceiros, mas um comércio "equilibrado".A questão do yuan, uma preocupa constante da União Européia por seu crescente déficit comercial com a China, foi um dos temas centrais da visita oficial de três dias de Sarkozy (encerrada ontem), que também pediu em sua reunião anterior com o presidente da China, Hu Jintao, que Pequim dedique mais atenção ao assunto."É necessário alcançar tipos de câmbio que sejam harmoniosos e justos e que beneficiem a economia global. Quero dizer, que para seu próprio bem, a China deve acelerar a valorização do yuan frente ao euro", disse Sarkozy em sua reunião com Hu.Enquanto a moeda européia está alcançando máximas históricas em relação ao dólar, o yuan só aumentou 5% frente ao dólar e, por outro lado, caiu 7% em relação ao euro desde o final de 2006. Durante a visita de Sarkozy, empresas dos dois países assinaram acordos de mais de 20 bilhões, entre eles a venda de 160 aviões Airbus para as aerolíneas chinesas e a construção de dois reatores nucleares no sul do país asiático pela francesa Areva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.