Eurogrupo fará teleconferência sobre Chipre às 15h30

Os ministros da zona do euro e representantes da troica - Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI) - vão realizar uma teleconferência emergencial às 15h30 (de Brasília) para discutir os acontecimentos no Chipre, disseram hoje duas autoridades da União Europeia.

Agencia Estado

18 de março de 2013 | 14h33

A teleconferência ocorrerá somente dois dias após as mesmas autoridades terem se reunido em Bruxelas e negociado um acordo de resgate de 10 bilhões de euros (US$ 13,1 bilhões) para o Chipre, que também incluiria uma taxa para depósitos bancários que visa financiar parcialmente o acordo. Sob o planejamento definido, a ilha obteria 5,8 bilhões de euros por meio de uma taxa de 6,75% sobre depósitos de valor abaixo de 100.000 euros e uma taxa de 9,9% para os que ultrapassarem essa quantia.

Mas o acordo rapidamente criou conflitos no Chipre e nos mercados financeiros. O governo cipriota está trabalhando em uma proposta revisada para aliviar o peso sobre os depositantes menores. A nova proposta terá que ser examinada e aprovada pelo Eurogrupo antes de uma votação do Parlamento do Chipre.

Uma das autoridades afirmou que a expectativa é de que a proposta cipriota esteja pronta para ser discutida na teleconferência. Outra fonte envolvida nas negociações disse que o governo do Chipre está trabalhando em uma proposta para taxar poupanças com menos de 100.000 euros em 3%; poupanças entre 100.000 e 500.000 euros em 10% e aquelas acima de 500.000 euros em 15%.

A União Europeia confirmou há pouco a realização da teleconferência às 15h30.

Todas as transações bancárias foram suspensas no país desde a noite de sexta-feira, apesar de os caixas eletrônicos ainda estarem funcionando normalmente na capital do Chipre, Nicósia. Uma autoridade do banco central do país afirmou que os bancos cipriotas permanecerão fechados até quinta-feira, em meio ao temor de que os depositantes retirem todas as suas poupanças dos bancos. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.